O Deus ciumento

por Charles Spurgeon

29 de Março de 1863
por
C. H. SPURGEON
(1834-1892)

A paixão do ciúme no homem geralmente é exercida de maneira maligna, mas em si mesma não é necessariamente pecaminosa. Um homem pode zelosamente cuidar de sua honra e vigiar suspeitosamente outro, sem merecer censura. Todas as pessoas ponderadas concordarão que existe algo como ciúme virtuoso. O amor próprio é, sem dúvida, a base usual do ciúme humano, e pode ser que Shenstone esteja certo em sua definição como “a apreensão da superioridade”, o medo de que outro possa de alguma forma nos suplantar; no entanto, a palavra “ciúme” é tão próxima da nobre palavra “zeloso” que estou convencido de que deve ter algo de bom.

Certamente aprendemos das Escrituras que existe algo como um ciúme piedoso. Encontramos o apóstolo Paulo declarando à Igreja de Corinto: “Pois estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo.” Ele tinha uma preocupação sincera, cautelosa e ansiosa por sua santidade, para que o Senhor Jesus fosse honrado em suas vidas. Que se lembre então que o ciúme, assim como a raiva, não é mal em si mesmo, ou nunca poderia ser atribuído a Deus; seu ciúme é sempre uma chama pura e santa.

A paixão do ciúme possui uma força intensa, incendeia toda a natureza, suas brasas são zimbro, que têm uma chama muito veemente; reside nas profundezas mais baixas do coração e se prende tão firmemente que permanece enraizado até que a causa excitante seja removida; brota dos recessos mais íntimos da natureza e como um torrente arrasta irresistivelmente tudo diante de si; não para em nada, pois é cruel como a sepultura (Cantares 8:6), provoca a ira ao máximo, pois é a fúria de um homem, por isso ele não poupará no dia da vingança (Provérbios 6:34), e derruba tudo na perseguição de seu inimigo, pois “a ira é cruel, e a fúria é violenta; mas quem pode resistir ao ciúme?”

Por todas essas razões, o ciúme é selecionado como um leve retrato desse terno cuidado que Deus tem por Sua própria Deidade, honra e supremacia, e a santa indignação que ele sente para com aqueles que violam suas leis, ofendem sua majestade ou impugnam seu caráter. Não que Deus seja ciumento ao ponto de se assemelhar aos homens, mas essa é a ideia mais próxima que podemos formar do que o Ser Divino sente — se for correto usar até essa palavra em relação a Ele — quando contempla seu trono ocupado por falsos deuses, sua dignidade insultada e sua glória usurpada por outros. Não podemos falar de Deus senão usando figuras tiradas de suas obras ou de nossas próprias emoções; no entanto, devemos, ao usarmos as imagens, nos precaver a nós mesmos e àqueles que nos ouvem contra a ideia de que a mente Infinita realmente pode ser abarcada e descrita por quaisquer metáforas por mais elevadas que sejam ou linguagem por mais imponente.

Talvez não tivéssemos ousado usar a palavra “ciúme” em conexão com o Altíssimo, mas como a encontramos tantas vezes nas Escrituras, vamos com solene reverência contemplar essa exibição misteriosa da mente Divina. Parece-me ouvir as palavras trovejantes de Naum: “O Senhor é zeloso e vingador; o Senhor é vingador e cheio de furor; o Senhor toma vingança contra os seus adversários e guarda rancor contra os seus inimigos.” Minha alma, humilha-te diante do Senhor e treme diante do seu nome!

I. Reverentemente, vamos lembrar que O SENHOR É EXCESSIVAMENTE CIUMENTO DE SUA DIVINDADE

Nosso texto está associado ao comando — “Não adorarás nenhum outro Deus”. Quando a lei foi proclamada do Sinai, o segundo mandamento recebeu força do ciúme divino — “Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra; não te encurvarás a elas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso.” Uma vez que ele é o único Deus, o Criador do céu e da terra, ele não pode tolerar que qualquer criatura de suas próprias mãos, ou ficção da imaginação de uma criatura, seja colocada em seu trono e use sua coroa.

Em Ezequiel encontramos o falso deus descrito como “a imagem do ciúme que provoca ciúmes”, e o destino de Jerusalém por se afastar assim de Jeová é assim: “Meu olho não poupará, nem terei piedade, mas retribuirei o seu caminho sobre a sua cabeça.” Os falsos deuses suportam pacientemente a existência de outros falsos deuses. Dagon pode ficar com Bel, e Bel com Astarote; como poderiam pedra, madeira e prata ser movidos à indignação; mas porque Deus é o único Deus vivo e verdadeiro, Dagon deve cair diante de sua arca; Bel deve ser quebrado, e Astarote deve ser consumida pelo fogo. Assim diz o Senhor: “Destruireis os seus altares, quebrareis as suas imagens e cortareis os seus bosques;” os ídolos ele abolirá totalmente.

Meus irmãos, vocês se maravilham com isso? Eu senti em minha própria alma enquanto meditava sobre este assunto uma intensa simpatia por Deus. Vocês conseguem se colocar no lugar de Deus por um momento? Suponham que vocês tivessem feito os céus e a terra, e todas as criaturas que habitam este globo terrestre; como se sentiriam se essas criaturas erguessem uma imagem de madeira, ou latão, ou ouro, e clamassem: “Estes são os deuses que nos criaram; estas coisas nos dão vida.” Qual deve ser a indignação do Senhor contra rebeldes enlouquecidos quando eles desprezam tanto a ele ao ponto de erguer um alho-poró, ou uma cebola, ou um besouro, ou um sapo, preferindo adorar o fruto de seus próprios jardins, ou os vermes de seus rios lamacentos, em vez de reconhecer o Deus em cuja mão está o seu fôlego, e cujos são todos os seus caminhos!

Oh! É uma maravilha que Deus não tenha despedaçado o mundo com raios, quando nos lembramos de que até hoje milhões de homens mudaram a glória do Deus incorruptível em imagem semelhante à do homem corruptível, e de aves e quadrúpedes e répteis. Com que desprezo inexprimível o Deus vivo deve olhar para esses ídolos que são obra das mãos do homem — “Têm boca, mas não falam; têm olhos, mas não veem; têm ouvidos, mas não ouvem; têm narizes, mas não cheiram; têm mãos, mas não apalpam; têm pés, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta.”

Deus tem paciência para com os homens, e ele suporta pacientemente essa loucura da rebelião; mas, oh! que paciência deve ser essa que pode conter a fúria de seu ciúme, pois ele é um Deus zeloso e não tolera rivais. Foi o ciúme divino que moveu o Senhor a trazer todas as suas pragas sobre o Egito. Uma leitura cuidadosa mostrará que esses prodígios foram todos direcionados aos deuses do Egito. O povo foi atormentado pelas próprias coisas que haviam feito para serem suas divindades, ou então, como no caso da peste bovina, seus animais sagrados foram eles mesmos feridos, assim como o Senhor havia ameaçado — “Contra todos os deuses do Egito executarei juízo: eu sou Jeová.”

Não foi o mesmo com Israel antigo? Por que eles foram derrotados diante de seus inimigos? Por que sua terra foi tantas vezes invadida? Por que a fome seguiu a peste, e a guerra sucedeu à fome? Apenas porque “eles o provocaram à ira com os seus altos, e o provocaram ao ciúme com as suas imagens de escultura. Quando Deus ouviu isso, ele se indignou e muito abominou a Israel.” (Salmo 78:58-59.) Como foi que no final o Senhor entregou Jerusalém às chamas, e ordenou aos caldeus que levassem para o cativeiro o remanescente de seu povo? Como foi que ele abominou sua herança e entregou o monte Sião para ser pisado pelos gentios? Não foi Jeremias quem lhes disse claramente que, porque haviam seguido outros deuses e abandonado Jeová, ele os lançaria em uma terra que não conheciam?

Irmãos, toda a história da raça humana é um registro das guerras do Senhor contra a idolatria. A mão direita do Senhor despedaçou o inimigo e lançou os antigos ídolos ao chão. Eis os montes de Nínive! Buscai as desolações da Babilônia! Contemplai os templos em ruínas da Grécia! Vede as ruínas da Roma pagã! Viajai onde quiserdes, vereis os templos dilapidados dos deuses e os impérios arruinados de seus tolos adoradores. As toupeiras e os morcegos cobriram com o esquecimento os outrora famosos deuses da Caldéia e da Assíria. O Senhor desnudou o seu braço e se livrou de seus adversários, pois Jeová, cujo nome é Zeloso, é um Deus zeloso.

Com que indignação, então, o Senhor deve olhar para aquela prostituta apóstata, chamada Igreja Romana, quando, em todos os seus santuários, há imagens e ídolos, relíquias e objetos sagrados, e pobres seres enfatuados são até ensinados a se curvar diante de um pedaço de pão. Neste país, a idolatria papista não é tão descarada e nua como em outras terras; mas eu vi isso, e minha alma foi movida com indignação como a de Paulo no Areópago, quando viu a cidade entregue totalmente à idolatria; Eu vi milhares adorarem a hóstia, centenas se curvarem diante da imagem da Virgem, dezenas em oração diante de um crucifixo, e grupos de homens e mulheres adorando um osso podre ou um prego enferrujado, porque dizem ser relíquia de um santo.

É vão para o romanista afirmar que ele não adora as coisas em si, mas apenas o Senhor por meio delas, pois o segundo mandamento proíbe expressamente isso, e é neste ponto que o Senhor se chama Deus zeloso. Quão cheio está esse cálice que Babilônia deve beber; o dia está se aproximando quando o Senhor se vingará dela, porque suas iniquidades alcançaram o céu, e ela blasfemou exaltando seu Papa no trono do Altíssimo, e colocando seus sacerdotes no ofício do Cordeiro. Purifiquem-se, purifiquem-se deste fermento. Eu vos exorto perante Deus, o Juiz dos vivos e dos mortos, se não quereis ser participantes das suas pragas, saí dela cada vez mais, e que o vosso protesto seja cada vez mais veemente contra aquilo que se exalta acima de tudo o que é chamado Deus.

Que as nossas Igrejas Protestantes, que têm muito sabor de romanismo nelas, se purifiquem das suas fornicações, para que o Senhor não as visite com fogo e derrame as pragas de Babilônia sobre elas. Renunciem, irmãos, a toda cerimônia que não tenha respaldo nas Escrituras, e a toda doutrina que não esteja estabelecida pelo testemunho claro da Palavra de Deus. Acima de tudo, nunca por sinal, palavra ou ação tenham qualquer cumplicidade com esta comunhão de demônios, esta reunião dos filhos de Belial; e já que o nosso Deus é Deus zeloso, não O provoquemos por qualquer afinidade, gentileza, comunhão ou amizade com esta Mãe das Prostitutas e abominações da terra.

Com que ciúme o Senhor deve olhar para a grande massa do povo deste país, que tem outro Deus além dele! Com que indignação ele olha para muitos de vocês que estão sujeitos ao príncipe do poder do ar, o deus deste mundo! Para vocês, Jeová não significa nada. Deus não está em todos os seus pensamentos; vocês não o temem diante dos olhos. Como os homens de Israel, vocês têm colocado ídolos em seus corações. Seu deus é o costume, a moda, os negócios, o prazer, a ambição, a honra. Vocês fizeram deuses dessas coisas; vocês disseram: “Estes são teus deuses, ó Israel.” Vocês seguem as coisas que perecem, as coisas deste mundo, que são vaidade.

Ó filhos dos homens, não pensem que Deus é cego. Ele pode perceber os ídolos em seus corações; ele entende quais são as coisas secretas que suas almas desejam; ele sonda o coração, ele prova os rins; cuidado para que ele não os encontre sacrificando a deuses estranhos, pois sua ira se acenderá contra vocês, e seu ciúme será despertado. Ó vocês que não adoram a Deus, o Deus de Israel, que não lhe dão domínio sobre toda a sua alma e não vivem para sua honra, arrependam-se da sua idolatria, busquem misericórdia através do sangue de Jesus e não provoquem mais o Senhor ao ciúme.

Mesmo os crentes podem ser repreendidos sobre este assunto. Deus é muito ciumento de sua divindade nos corações de seu próprio povo. Mãe, o que ele dirá de você, se essa criança querida ocupar um lugar mais proeminente em seu amor do que o seu Senhor e Salvador Jesus Cristo? Marido, o que ele dirá a você, e com que açoites ele o ferirá, quando sua esposa reinar como uma deusa em seu espírito? E esposa, você deve amar seu marido – você faz bem em fazê-lo; mas se você o exaltar acima de Deus, se você o colocar como dominador de sua consciência e estiver disposta a abandonar seu Senhor para agradá-lo, então você fez para si mesmo outro deus, e Deus está ciumento de você. Sim, e podemos assim provocá-lo com os mortos, assim como com os vivos.

Uma tristeza levada ao excesso, uma tristeza nutrida até que ela impeça nossa atenção ao dever, uma tristeza que nos faz murmurar e lastimar contra a vontade da Providência é pura rebelião; ela tem em si o próprio espírito da idolatria; ela provocará o Senhor à ira, e ele certamente nos castigará novamente, até que nosso espírito se torne resignado ao seu castigo. “Ainda não perdoaste a Deus?” foi a linguagem de um velho Quaker quando viu uma viúva que por anos vestira suas roupas de luto e estava inconsolável em sua tristeza — “Ainda não perdoaste a Deus?” Podemos chorar sob as perdas, pois Jesus chorou; mas não devemos entristecer de forma a provocar o Senhor à ira, não devemos agir como se nossos amigos fossem mais preciosos para nós do que nosso Deus. É permitido buscar consolo uns nos outros, mas quando levamos o amor à idolatria, e colocamos a criatura no lugar do Criador, e rebelamos, e nos lamentamos e lastimamos amargamente, então o Senhor tem uma vara em sua mão, e ele nos fará sentir seu peso, pois ele é um Deus ciumento.

Receio que haja alguns crentes que colocam sua casa, seu jardim, seus negócios, sua habilidade, sei lá o quê, às vezes no lugar de Deus. Não seria consistente com a vida de piedade que um homem seja perpetuamente um idólatra, mas mesmo os verdadeiros crentes às vezes serão vencidos por esse pecado e terão que lamentar por ele. Irmãos, não estabeleçam imagens de ciúme, mas como Jacó de antigamente clamem a si mesmos e às suas famílias: “Ponham de lado os deuses estranhos que estão entre vocês e purifiquem-se.” Deixe-me advertir aqueles de vocês que negligenciam isso que, se forem do povo do Senhor, logo sofrerão as consequências, e quanto mais cedo melhor para sua própria salvação; enquanto, por outro lado, para aquelas pessoas ímpias que continuam a viver para objetivos que não são divinos, deixe-me dizer que não apenas sofrerão nesta vida com amargas decepções, mas também sofrerão a ira eterna na vida futura.

Venham, deixem-me pressionar esta questão em suas consciências; deixem-me levar isso como se fosse à ponta de uma baioneta. Por que, meus ouvintes, há alguns de vocês que nunca adoram a Deus. Eu sei que vocês vão à sua casa, mas é apenas para serem vistos, ou para acalmar suas consciências por terem feito o seu dever. Quantos de vocês, comerciantes, visam apenas acumular uma fortuna! Quantos de vocês, comerciantes, vivem apenas para suas famílias! Quantos jovens respiram apenas para o prazer! Quantas jovens existem apenas para diversão e vaidade.

Receio que alguns de vocês façam do ventre o seu deus, e se curvem diante de seus próprios encantos pessoais ou confortos. Falar de idólatras! Eles estão aqui hoje! Se desejamos pregar para aqueles que quebram o primeiro e o segundo mandamento, não precisamos ir à Índia ou percorrer as planícies da África. Eles estão aqui. A vocês que não se curvam diante do Senhor, que estas palavras sejam dadas, e que ressoem em seus ouvidos — “O Senhor, cujo nome é zeloso, é um Deus zeloso”. Quem poderá permanecer diante dele quando ele estiver irado? Quando seu zelo queima como fogo e fuma como uma fornalha, quem suportará o dia de sua ira? Cuidado, para que ele não os despedace e não haja ninguém para libertar.

Terrível será para vocês se, no final, contemplarem um Deus irado sentado em julgamento. Parem agora e meditem sobre o seu destino, e pensem que veem o Todo-Poderoso vestido em tempestade e redemoinho.

“Seu trono um assento de terrível ira,
Cercado por chamas devoradoras;
O Senhor aparece como fogo consumidor,
E Ciumento é o seu nome.”

Deus te abençoe por amor a Jesus.

II. O Senhor É CIUMENTO DE SUA SOBERANIA

Aquele que fez o céu e a terra tem o direito de governar suas criaturas como quiser. O oleiro tem poder sobre o barro para moldá-lo de acordo com o seu próprio prazer, e as criaturas feitas são obrigadas a obedecer ao seu Senhor. Ele tem o direito de emitir comandos, ele o fez — eles são santos, justos e sábios; os homens são obrigados a obedecer, mas, infelizmente, eles continuamente se revoltam contra sua soberania e não o obedecem; sim, há homens que negam completamente que ele é o rei dos reis, e outros que tomam conselho juntos dizendo: “Vamos quebrar suas correntes e lançar fora suas cordas de nós”. Aquele que está sentado nos céus é movido à ciúmes por esses pecados, e defenderá os direitos de sua coroa contra todos os oponentes, pois o Senhor é um grande Deus e um grande Rei acima de todos os deuses.

Isso nos lembra do ódio do Senhor pelo pecado. Cada vez que pecamos, estamos dizendo, “Eu não reconheço Deus como meu soberano; farei o que eu quiser.” Cada vez que falamos palavras maldosas, estamos realmente dizendo, “Minha língua é minha, ele não é Senhor sobre meus lábios.” Sim, e toda vez que o coração humano se desvia para o mal e deseja o que é proibido, ele tenta depor Deus e colocar o Maligno em seu lugar.

A linguagem do pecado é “Quem é o Senhor para que eu obedeça a sua voz; não quero que Deus reine sobre mim.” O pecado é uma traição deliberada contra a majestade de Deus, um ataque à sua coroa, um insulto oferecido ao seu trono. Alguns pecados, especialmente, têm a rebelião escrita em sua testa — pecados presunçosos, quando a consciência de alguém foi iluminada e ele sabe melhor, mas ainda abandona o bem e segue o mal; quando a consciência de alguém foi despertada por algum julgamento, doença ou sob um ministério fiel; se esse homem voltar, como um cão ao seu vômito, ele de fato insultou a soberania de Deus. Mas não fizemos todos isso, e não há aqui em particular alguns dos quais tínhamos boas esperanças, mas que voltaram aos caminhos tortuosos?

Não há alguns de vocês que, sábado após sábado, têm suas consciências tão despertadas que não podem ficar tranquilos no pecado como os outros e, embora talvez se entreguem ao pecado, isso lhes custa muito caro, pois sabem melhor? Não ouvi falar de alguém que senta nessas cadeiras com frequência, mas está igualmente no banco do bar? Não ouvi falar de outro que pode cantar conosco os hinos de Sião, mas está igualmente à vontade com a música lasciva do bêbado? Não sabemos de alguns que em seus negócios são tudo menos o que deveriam ser, mas por aparência podem vir à casa de Deus?

Oh, senhores, oh, senhores, vocês provocam o Senhor ao ciúme! Cuidado, pois quando Ele sair do seu lugar de descanso e pegar sua espada e escudo para si mesmo, quem são vocês para ficarem diante da terrível majestade da Sua presença! Tremam e fiquem em silêncio! Humilhem-se e se arrependam desse pecado.

Certamente, se o pecado ataca a soberania de Deus, a autojustiça é igualmente culpada de traição: pois enquanto o pecado se gaba, “Eu não vou obedecer à lei de Deus”, a autojustiça exclama: “Eu não serei salvo do jeito de Deus; eu farei um novo caminho para o céu; eu não me curvarei diante da graça de Deus; eu não aceitarei a expiação que Deus realizou na pessoa de Jesus; eu serei meu próprio redentor; eu entrarei no céu com minha própria força e glorificarei meus próprios méritos.”

O Senhor está muito irado contra a autojustiça. Eu não conheço nada contra o qual sua fúria arda mais do que contra isso, porque isso o toca em um ponto muito sensível, insulta a glória e a honra de seu Filho Jesus Cristo. Josué disse aos filhos de Israel quando prometeram obedecer à lei: “Vós não podeis servir ao Senhor, porque ele é um Deus santo; ele é um Deus zeloso; e ele não perdoará as vossas transgressões nem os vossos pecados.” Então eu posso muito bem dizer a toda pessoa autojusta: “Vós não podeis obedecer à lei, pois Deus é um Deus zeloso”, marcando cuidadosamente cada falha, e justo para marcar as vossas iniquidades; nem ele perdoará as vossas iniquidades enquanto tentardes ganhar seu favor por obras da lei.

Abandone tua autojustiça, ó orgulhoso; lance-a com todos os outros ídolos para os toupeiras e para os morcegos, pois não há esperança para ti enquanto te apegares a ela. A autojustiça é em si o ápice e o ponto culminante da rebelião contra Deus. Para um homem dizer: “Senhor, eu não pequei”, é a reunião, o ênfase, o clímax da iniquidade, e o zelo de Deus está ardendo contra isso.

Deixe-me acrescentar, queridos amigos, estou convencido de que a falsa doutrina, na medida em que toca na soberania de Deus, é sempre objeto de ciúmes divinos. Permitam-me indicar especialmente as doutrinas do livre-arbítrio. Eu sei que há alguns homens bons que as defendem e pregam, mas estou convencido de que o Senhor deve estar entristecido com sua doutrina, embora perdoe o pecado da ignorância deles.

A doutrina do livre-arbítrio – o que ela faz? Ela exalta o homem a ponto de torná-lo Deus; declara os propósitos de Deus nulidade, uma vez que não podem ser realizados a menos que os homens estejam dispostos. Ela torna a vontade de Deus uma serva à espera da vontade do homem, e toda a aliança da graça dependente da ação humana. Negando a eleição com base na injustiça, considera Deus como devedor dos pecadores, de modo que se ele dá graça a um, está obrigado a fazê-lo a todos. Ensina que o sangue de Cristo foi derramado igualmente por todos os homens e, como alguns estão perdidos, essa doutrina atribui a diferença à própria vontade do homem, tornando a expiação em si mesma algo impotente até que a vontade do homem lhe dê eficácia. Esses sentimentos diluem a descrição bíblica da depravação do homem e, ao atribuir força à humanidade caída, roubam o Espírito da glória de sua graça eficaz: essa teoria afirma, na verdade, que é daquele que quer e daquele que corre, e não de Deus que mostra misericórdia.

Qualquer doutrina, meus irmãos, que se oponha a essa verdade – “Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia” provoca o ciúme de Deus. Muitas vezes tremo neste púlpito com medo de dizer algo que se oponha à soberania do meu Deus; e embora vocês saibam que não me envergonho de pregar a responsabilidade do homem para com Deus — se Deus é soberano, o homem deve estar obrigado a obedecê-lo — por outro lado, sou igualmente ousado em pregar que Deus tem o direito de fazer o que quer com o que é seu, que ele não dá conta de seus assuntos e ninguém pode deter sua mão, ou dizer-lhe: “O que estás fazendo?” Acredito que a heresia do livre-arbítrio ataca a soberania de Deus e prejudica a glória do seu domínio. Com toda fidelidade, misturada com tristeza, eu os exorto, aqueles que foram iludidos por ela, a examinar bem seus caminhos e receber a verdade que exalta Deus e coloca a criatura no pó. “O Senhor reina”, seja esta nossa alegria. O Senhor é nosso Rei, vamos obedecer-lhe e defender até a morte os direitos da coroa dos reis mentirosos, pois ele é um Deus ciumento.

Enquanto pondero sobre este assunto, devo também observar que todas as jactâncias dos homens ímpios, sempre que se exaltam, uma vez que são uma espécie de reivindicação de soberania, devem ser muito vexatórias para Deus, o Juiz de todos. Quando você se gloria em seu próprio poder, esquece que o poder pertence apenas a Deus e provoca o ciúme dele. Quando reis, parlamentos ou sínodos transgridem os domínios sagrados da consciência e dizem aos homens: “Incline-se para que possamos passar por cima de você” — quando fazemos tentativas de dominar o julgamento de outro homem e tornar nossas próprias opiniões supremas, o Senhor é movido pelo ciúme, pois ele reserva o tribunal da consciência apenas para reinar. Curvemo-nos humildemente diante da dignidade do Altíssimo e prestemos nossa homenagem aos seus pés.

“Glória ao Rei eterno,
Vestido em majestade suprema!
Deixe todo o céu cantar seus louvores,
Deixe todos os mundos proclamarem seu poder. Oh, deixe minha alma arrebatada
Sempre contemplar suas glórias!
Sempre se render ao seu controle,
Sempre entoar o seu louvor sublime!”

Vamos coroá-lo todos os dias! Que a nossa santa obediência, que as nossas vidas devotas, que a nossa sincera aceitação de toda a sua vontade, que a nossa adoração reverente diante da grandeza de sua majestade, tudo prove que reconhecemos que ele é o Rei dos reis e Senhor dos senhores, para que não provoquemos um Deus ciumento à ira.

III. O SENHOR É CIUMENTO DE SUA GLÓRIA

A glória de Deus é o resultado de sua natureza e de seus atos. Ele é glorioso em seu caráter, pois há uma grande quantidade de tudo o que é santo, bom e amável em Deus, e assim ele deve ser glorioso. As ações que fluem de seu caráter, as obras que são manifestações de sua natureza interior, também são gloriosas; e o Senhor tem muito cuidado para que toda a carne veja que ele é um Deus bom, gracioso e justo; e ele também se preocupa para que seus grandes e poderosos atos não deem glória a outros, mas somente a si mesmo.

Quão cuidadosos devemos ser ao fazer qualquer coisa para Deus, e Deus se agrada de nossas ações, para nunca nos parabenizarmos. O ministro de Cristo deve se despir de qualquer elogio. “Você pregou bem”, disse um amigo a John Bunyan certa manhã. “Você está atrasado”, disse honesto João, “o diabo me disse isso antes de eu sair do púlpito”. O diabo muitas vezes diz aos servos de Deus muitas coisas que eles deveriam sentir muito em ouvir. Dificilmente você pode ser útil em uma Escola Dominical sem que ele diga a você: “Como você fez isso bem!” Mal consegue resistir a uma tentação, ou dar um bom exemplo, mas ele estará sussurrando: “Você deve ser uma pessoa excelente!”

Talvez seja uma das lutas mais difíceis da vida cristã aprender esta frase: “Não a nós, não a nós, mas ao teu nome seja a glória”. Deus é tão ciumento nesse ponto que, enquanto perdoará mil coisas aos seus próprios servos, esta é uma ofensa pela qual ele certamente nos castigará. Deixe um crente dizer “Eu sou”, e Deus logo o fará dizer “Eu não sou”. Deixe um cristão começar a se gabar: “Posso fazer todas as coisas”, sem acrescentar “por meio daquele que me fortalece”, e logo terá que gemer: “Não posso fazer nada”, e lamentar-se no pó. Muitos dos pecados dos verdadeiros cristãos, eu não duvido, têm sido o resultado de sua própria glorificação.

Muitos homens têm sido permitidos por Deus a manchar um caráter nobre e arruinar uma reputação admirável, porque o caráter e a reputação haviam se tornado do próprio homem, em vez de serem colocados, como todas as nossas coroas devem ser colocadas, aos pés de Cristo. Você pode construir a cidade, mas se disseres com Nabucodonosor: “Eis esta grande Babilônia que eu edifiquei!”, serás lançado por terra. Os vermes que devoraram Herodes quando ele não deu glória a Deus estão prontos para outra refeição; cuidado com a vanglória!

Quão cuidadosos devemos ser para andar humildemente diante do Senhor. No momento em que nos glorificamos, uma vez que há espaço apenas para uma glória no universo, nos colocamos como rivais do Altíssimo. Almas penitentes são sempre aceitas, porque não estão no caminho de Deus; almas orgulhosas são sempre rejeitadas, porque estão no caminho de Deus. Deveria o inseto de uma hora se glorificar contra o Sol que o aqueceu para a vida? Deveria o caco se exaltar acima do homem que o moldou na roda? Deveria o pó do deserto lutar contra o redemoinho? Ou as gotas do oceano lutar contra a tempestade? Ó tu, insignificância e vaidade, ó tu, frágil mortal chamado homem, humilha-te e reverencia o teu Grande Criador.

Vejamos a garantia de que nunca representemos Deus de maneira errada, a ponto de roubar-lhe a honra. Se algum ministro pregar sobre Deus de forma a desonrá-lo, Deus será ciumento contra esse homem. Receio que o Senhor tenha uma grande ira contra aqueles que atribuem a condenação do homem à porta de Deus, pois desonram a Deus, e ele é muito ciumento de seu nome. E aqueles, por outro lado, que atribuem a salvação ao homem também devem estar debaixo do desagrado de Deus, pois tiram dele sua glória. Ah, ladrões! ah, ladrões! ousarão roubar as joias da coroa do universo! Para onde vão vocês, para onde levam as pérolas brilhantes que deveriam brilhar na fronte de Cristo? Para colocá-las na fronte do homem? Pare! pare! pois o Senhor não dará sua glória a outro! Dai ao Senhor, ó justos, dai ao Senhor glória e força; dai-lhe a honra que é devida ao seu nome! Qualquer doutrina que não dê toda a honra a Deus deve provocá-lo ao ciúme.

Cuidado, queridos amigos, para que vocês mesmos não representem Deus de maneira errada. Vocês que murmuram; vocês que dizem que Deus trata vocês com rigor, vocês dão uma má reputação a Deus; quando vocês parecem tão melancólicos, os mundanos dizem: “A religião de Jesus é intolerável”; e assim mancham a honra de Deus. Oh, não façam isso, pois ele é um Deus ciumento, e certamente usará a vara sobre vocês se o fizerem.

Um lampejo de prazer santo atravessa minha mente. Fico feliz que ele seja um Deus ciumento. Isso é suficiente para nos fazer andar com muito cuidado, mas, ao mesmo tempo, deveria nos fazer muito felizes ao pensar que o Senhor é muito ciumento de sua própria honra. Então, irmãos, se cremos em Cristo, você e eu estamos seguros, porque seria uma desonra se não estivéssemos; por causa de seu próprio nome e por causa de sua fidelidade, ele nunca abandonará um de seu povo; pois “Sua honra está empenhada em salvar o mais humilde de suas ovelhas”.

Agora, se Cristo pudesse brincar com sua própria honra, se ele não tivesse ciúmes, você e eu poderíamos ter medo de que ele nos deixasse perecer; mas nunca será assim. Será dito na terra e cantado no céu no final, que Deus sofreu derrotas desonrosas pelas mãos dos homens ou demônios. “Escolhi meu povo”, diz o Pai Eterno, “e eles são meus agora que faço deles minhas joias”. “Comprei meu povo”, diz o Filho eterno, “tornei-me fiador por eles diante do Altíssimo, e o inferno não pôde rasgar a mais humilde das ovelhas”. “Vivifiquei meu povo”, diz o Espírito Santo; as tentações do inferno não puderam derrubá-los; suas próprias corrupções não puderam dominá-los; obtive a vitória em cada um deles, nenhum deles está perdido; todos eles são trazidos em segurança para minha mão direita.” Escondam-se então sob a bandeira do ciúme de Jeová. Ela é vermelho sangue, eu sei; seu estandarte carrega um raio e uma chama de fogo; mas escondam-se, escondam-se sob ela, pois que inimigo alcançará vocês ali? Se for para a glória de Deus me salvar, estou fortificado por muralhas de rocha estupendas.

Se fosse para tornar Deus inglorioso permitir que eu, um pobre pecador, descesse ao inferno; se abriria as bocas dos demônios e faria os homens dizerem que Deus não é fiel à sua promessa, então estou seguro, pois a glória de Deus está envolvida com minha salvação, e uma não pode falhar porque a outra não pode ser manchada. Amados, cuidemos para sermos muito ciumentos da glória de Deus nós mesmos, já que ele é ciumento dela. Digamos com Elias: “Sou muito ciumento pelo Senhor Deus dos Exércitos.” Que nossas vidas, conduta e conversa provem que somos ciumentos de nossos corações para que não se afastem dele; e que golpeemos com mão firme e implacável todo pecado e todo pensamento de orgulho que possa tocar a glória de nosso gracioso Deus; vivendo para ele como diante de um Deus ciumento.

IV. No sentido mais elevado, O SENHOR É CIUMENTO POR SEU PRÓPRIO POVO

Deixe-me apenas sugerir que o ciúme humano, embora se exerça sobre a reputação, direitos e honra do homem, tem um lugar particularmente delicado: o ciúme guarda, como um homem armado, a aliança do casamento. Uma suspeita aqui é horrível. Mesmo o bom e velho Jacó, quando veio a falecer, não pôde olhar para seu filho Rúben sem lembrar-se de sua ofensa. “Ele subiu à minha cama”, disse o velho homem—e, como se a lembrança fosse muito dolorosa para ele, ele passou rapidamente de Rúben para o próximo. O Senhor teve a graciosa bondade de dizer do seu povo: “Casei-me contigo”.

A aliança da graça é uma aliança de casamento, e a Igreja de Cristo tornou-se sua esposa. É aqui que o ciúme de Deus é particularmente suscetível de se inflamar. Os homens não podem ser os favoritos de Deus sem serem sujeitos à sua vigilância e ciúme: aquilo que poderia ser tolerado em outro será corrigido em um membro de Cristo. Assim como um marido é ciumento de sua honra, assim também o Senhor Jesus está muito preocupado com a pureza de sua Igreja.

O Senhor Jesus Cristo, de quem falo agora, é muito ciumento do seu amor, ó crente. Ele não o escolheu? Ele não pode suportar que você escolha outro. Ele não o comprou com seu próprio sangue? Ele não pode suportar que você pense que é seu próprio, ou que pertence a este mundo. Ele amou você com tanto amor que não pôde ficar no céu sem você; ele preferiria morrer do que você perecesse; ele se despojou até a nudez para vesti-lo de beleza; ele curvou o rosto à vergonha e ao escarro para elevá-lo à honra e glória, e não pode suportar que você ame o mundo e as coisas do mundo.

Seu amor é forte como a morte para com você, e portanto será cruel como a sepultura. Ele será cruel para com você se não o amar com um coração perfeito. Ele tirará aquele marido; ele golpeará aquele filho; ele o levará das riquezas à pobreza, da saúde à doença, até às portas da sepultura, porque ele ama você tanto que não pode suportar que nada se interponha entre o amor do seu coração e ele. Cuidado, cristãos, vocês que são casados com Cristo; lembrem-se, vocês são casados com um marido ciumento.

Ele é muito ciumento da sua confiança. Ele não permitirá que você confie em um braço de carne. Ele não suportará que você cava cisternas rotas, quando a fonte transbordante está sempre livre para você. Quando subimos do deserto apoiados em nosso Amado, então nosso Amado se alegra, mas quando descemos ao deserto apoiados em algum outro braço; quando confiamos em nossa própria sabedoria ou na sabedoria de um amigo—pior ainda, quando confiamos em quaisquer obras nossas, ele fica irado e nos golpeará com golpes pesados para nos trazer a si mesmo.

Ele também é muito ciumento de nossa companhia. Seria bom se um cristão pudesse ver nada além de Cristo. Quando a esposa de um nobre persa foi convidada para a coroação de Dario, a pergunta foi feita por seu marido—”Você não achou o rei um homem muito bonito?” e sua resposta foi—”Eu não me importei em olhar para o rei; meus olhos são apenas para meu marido, pois meu coração é dele.” O cristão deveria dizer o mesmo.

Não há nada sob o espaçoso arco do céu comparável a Cristo: não deve haver ninguém com quem conversemos tanto quanto com Jesus. Permanecer somente nele, isso é verdadeiro amor; mas conviver com o mundo, encontrar consolo em nossos confortos, amar este mundo maligno, isso é irritante para nosso ciumento Senhor. Você não acredita que nove em cada dez das tristezas e dores dos crentes são resultado de seu amor por outra pessoa que não seja Cristo? Prenda-me à tua cruz, tu, Salvador sangrento! Coloque tua coroa de espinhos sobre minha cabeça para ser uma cerca para manter meus pensamentos dentro de seus limites! Oh, por um fogo para queimar todos os meus amores errantes. Oh, por um selo para gravar o nome do meu Amado indelevelmente em meu coração! Oh, amor divino, expulsa de mim todos os amores carnais mundanos, e enche-me de ti mesmo!

Queridos amigos, que este ciúme que deveria nos manter próximos de Cristo seja também um conforto para nós, pois se formos casados com Cristo, e ele tiver ciúmes de nós, tenha certeza de que este marido ciumento não permitirá que ninguém toque em sua esposa. Joel nos diz que o Senhor tem zelo por sua terra, e Zacarias pronuncia a palavra do Senhor: “Tenho zelo por Jerusalém e por Sião com grande zelo”; e então ele declara que punirá os pagãos. E não vingará ele os seus eleitos que clamam a ele dia e noite? Não há uma palavra dura dita, mas o Senhor a vingará! Não há um único ato cometido contra nós, mas a mão forte daquele que uma vez morreu, mas agora vive por nós, exercerá terrível vingança sobre todos os seus adversários. Não tenho medo pela Igreja de Deus! Não tremo pela causa de Deus!

Nosso ciumento Marido nunca permitirá que sua Igreja esteja em perigo, e se alguém a ferir, ele lhes dará o dobro por cada golpe. As portas do inferno não prevalecerão contra a sua Igreja, mas ela prevalecerá contra as portas do inferno. O seu marido ciumento esquecerá a sua vergonha; a sua reprovação será esquecida; sua glória será bela como a lua, clara como o sol e terrível como um exército com bandeiras, pois quem tem ciúme de si mesmo tem ciúme de sua bela fama.

O assunto é amplo e profundo; vamos provar que o entendemos, caminhando doravante com muito cuidado; e se alguém disser “Por que você é tão preciso?” que esta seja a nossa resposta: “Eu sirvo a um Deus zeloso”.

Este sermão encontra-se disponível em inglês aqui e foi traduzido pelo EvangelhoEterno.Org.

Search

Para melhorar sua experiência, este site usa cookies.