Seis objeções contra a interpretação de graça comum de Gênesis 6 e 9 / Six Objections to the Common Grace Interpretation of Genesis 6 & 9


Ronald L. Cammenga

Traduzido por John Rick Lima de Oliveira ([email protected])

(Um trecho de “A Aliança com Noé: Graça Comum ou Graça Cósmica?” Revista Teológica Reformada Protestante, vol. 40 [abril de 2007], no.1, pp. 14-18)

Uma série de objeções pesadas deve ser apresentada contra a visão de que a aliança de Deus com Noé era uma aliança da graça comum, totalmente distinta tanto em seus destinatários quanto nas promessas da aliança da graça de Deus em Jesus Cristo.

Primeiro, o relato em Gênesis deixa claro que é somente Deus quem estabelece a aliança. A aliança não é uma barganha ou acordo mútuo entre Deus e Noé. Repetidamente, a linguagem usada é a linguagem que ressalta a soberania divina no estabelecimento da aliança. Consistentemente, a linguagem usada é “Estabelecerei minha aliança” (Gênesis 6:18; 9:9, 11, 12, 16).

Essa é uma linguagem unilateral e incondicional da aliança. Somente Deus estabelece a aliança. A aliança que Ele estabelece é a Sua (“minha”) aliança. Não foram Deus e Noé que estabeleceram-na, de modo que a aliança estabelecida era a “aliança” deles. Deus estabeleceu a aliança e, portanto, a aliança é a Sua aliança.

A própria forma do verbo hebraico que é usada ao longo da passagem e, nesse assunto, é usada em todo o Antigo Testamento, pois o estabelecimento da aliança enfatiza a soberania de Deus no estabelecimento da aliança. O verbo hebraico é o Hiphil de קוםּ (qum), que no Hiphil (o padrão verbal causativo) significa “fazer ficar de pé, estabelecer”. A própria forma do verbo ressalta a verdade de que Deus e somente Deus estabelece a aliança. A aliança existe porque Ele faz com que ela permaneça.

Segundo, o fato de o relato de Gênesis falar o tempo todo de “minha aliança” (Gênesis 6:18; 9:9, 11, 15) e “a aliança” (Gênesis 9:12, 16, 17), juntamente com o o fato de que “aliança” é singular em todo o lugar, implica que a aliança estabelecida com Noé é uma manifestação da única aliança de Deus. Essa é a linguagem usada nas Escrituras para se referir à aliança da graça. O fato de essa linguagem ser usada em relação à aliança de Deus com Noé indica que a aliança noéica, única por assegurar certas características, era ainda assim, quanto ao seu caráter essencial, uma parte com a aliança de graça estabelecida por Deus com Seu povo em Cristo.

Terceiro, o que confirma a visão de que o pacto noéico é apenas uma manifestação do único pacto da graça é o fato de que o pacto com Noé é referido como pacto “por gerações perpétuas” (Gênesis 9:12) e “a eterna aliança” (Gênesis 9:16). Embora a aliança com Noé certamente se refira a esta terra e à vida do povo da aliança de Deus no meio desta terra, à medida que ele são reunidos e à medida que a aliança se manifesta na história do mundo, no entanto, a aliança com Noé não é essencialmente uma aliança temporal cujos benefícios são limitados a esta terra. É antes uma aliança eterna. Isso não apenas enfatiza que Deus estabelece e realiza a aliança, na medida em que Deus é eterno, mas também enfatiza a verdade de que as bênçãos da aliança noéica não são apenas bênçãos temporais ligadas à vida terrena. Na realidade, são bênçãos que se originam no passado da eternidade e se estendem para o futuro da eternidade. Elas são nada menos, portanto, que as bênçãos da salvação, a salvação espiritual de Deus em Jesus Cristo.

Uma quarta objeção à visão de graça comum da aliança com Noé é que ela não faz justiça ao estabelecimento original dessa aliança, conforme registrado em Gênesis 6:18. Os proponentes da graça comum concentram-se no estabelecimento do pacto, como está registrado em Gênesis 9: 8-17, o relato do estabelecimento do pacto com Noé após o dilúvio. Mas o que eles deixam de levar em consideração é o fato de que o primeiro estabelecimento da aliança de Deus com Noé é registrado em Gênesis 6:18 antes do Dilúvio.

A aliança de Deus com Noé após o Dilúvio não pode ser dissociada de Sua aliança estabelecida com Noé antes do Dilúvio. Claramente, esses não são dois pactos diferentes, mas um e o mesmo pacto. A aliança foi estabelecida primeiro por Deus com Noé antes do Dilúvio e depois confirmada por Deus após o Dilúvio. O que Gênesis 6:18 deixa claro é que o pacto noéico não é um pacto meramente temporal, com benefícios puramente terrenos.

Gênesis 6:18 é a explicação do porquê Noé e sua família não pereceriam no dilúvio. Sob o justo julgamento de Deus, o mundo ímpio dos dias de Noé pereceu no dilúvio, um justo julgamento de Deus que terminou na condenação eterna dos ímpios. Em contraste com o mundo perverso exposto ao terrível julgamento de Deus, Noé e sua família permaneceram. O que marcou a diferença entre aquele mundo que perece, por um lado, e Noé e sua família, por outro lado? A diferença era a graça de Deus. Noé encontrou graça aos olhos do Senhor (Gênesis 6:8). De acordo com essa graça, Deus estabeleceu Sua aliança com Noé. Claramente, o significado da aliança de Deus com Noé, portanto, não pode ser reduzido ao que é puramente temporal e terreno – não, pelo menos, se a justiça completa for feita à luz que Gênesis 6:18 lança sobre a confirmação de Deus da aliança em Gênesis 9: 8-17.

O que fortalece a objeção contra o entendimento da graça comum da aliança noéica, em quinto lugar, é a referência subsequente a essa história e aliança nas Escrituras. Em três passagens no Antigo Testamento, é feita referência à aliança de Deus com Noé: Isaías 54:9-10, Jeremias 33:20-22 e Oséias 2:18. Nos três casos, a aliança com Noé é comparada à aliança de Deus com Seu povo eleito em Cristo. Na passagem de Isaías 54, o pacto noéico é comparado ao “pacto da minha paz”; na passagem de Jeremias, a aliança noéica é comparada à aliança de Deus com Davi, que finalmente é a aliança com Cristo, o grande filho de Davi, e todos os que estão em Jesus Cristo; na passagem de Oséias, a aliança noéica é comparada à aliança de Deus com Israel, segundo a qual Ele quebrará o arco e a espada de seus inimigos e fará Israel se deitar em segurança. O fato da aliança noéica poder ser comparada com a aliança da graça de Deus nessas passagens do Antigo Testamento é possível, em última análise, apenas se a própria aliança noéica for uma manifestação da aliança de graça.

Em sexto lugar, simplesmente não é verdade que a aliança noéica seja estabelecida por Deus com todos os homens, eleitos e reprovados. Isso é, na melhor das hipóteses, interpretar mal Gênesis 9 e, na pior das hipóteses, deliberadamente corromper o ensino da passagem. Noé não é o líder de toda a raça humana em Gênesis 9, embora, inquestionavelmente, toda a raça humana derive dele. Mas Noé emerge da arca como o cabeça da igreja, a igreja como foi manifestada naquele dia, a igreja que havia sido salva pela destruição aquosa do dilúvio. Ele é o profeta, sacerdote e rei do povo de Deus que foi libertado, não apenas do, mas pelo dilúvio [I Pet. 3:20]. Com o cabeça e o representante da igreja, que permanece, portanto, como um tipo do próprio Cristo, Deus estabelece seu pacto. Toda a história de Gênesis 6-9 proclama a verdade, alta e claramente, que nem todos os homens estão incluídos na aliança de Deus. A aliança, a graça e a salvação da aliança, são particulares, apenas para alguns.

Para material Reformado adicional em Português, por favor, clique aqui.



Fonte: Covenant Protestant Reformed Church

Livros que você vai gostar

Você também vai gostar

Mais lidos

Conecte-se com o EvangelhoEterno.Org

COMPARTILHE!

Inscreva-se para novidades

O portal EvangelhoEterno.Org é um site cristão criado com o objetivo de contribuir para o avanço do Evangelho de Jesus Cristo em toda a face da terra.

Temos o desejo de que as pessoas estejam cheias da Palavra de Deus, que é a verdade absoluta, e do poder do Espírito Santo.

Saiba mais sobre nossa Política de Privacidade.

© 2022 EvangelhoEterno.Org | Todos os Direitos Reservados | Idealizado por Hudson Carvalho

Para melhorar sua experiência, este site usa cookies.