São Salvos Todos os Filhos dos Crentes? – CPRC


Prof. Hanko

Pergunta: “O Prof. Hanko escreveu: “No campo da missão, quando os pais são convertidos, seus filhos também são salvos …” Soa como se todas as crianças de todos os crentes são necessariamente salvas. No que diz respeito às passagens da Bíblia que cita, eu prefiro pensar que é uma promessa aos pais crentes, mas não uma garantia, certo? Mas porque é uma promessa, não garantia? É por causa do capítulo 11 de Romanos, onde ele diz que também na linha da aliança nem todos serão salvos? Assim que nós sabemos que, embora seja uma promessa de que alguns filhos de crentes serão salvos, não serão todas as crianças.”

A questão não é de todo incomum. Descobri ao longo dos anos que a visão bíblica da aliança quase sempre provoca a mesma ou semelhante pergunta.

A pergunta cita-me com precisão e tem razão quando diz mais tarde em seu e-mail: “É claro que ele não significa que todas as crianças nascidas de crentes são salvas.” Não é verdade, porém, que a promessa divina não é uma garantia. A promessa do homem pode não ser uma garantia, mas a promessa de Deus é (cf. Heb. 6:13-20). O que Ele promete, Ele fará.

Como é possível dizer que Deus promete salvar os crentes e seus filhos, e ainda assim não salvar todas elas? Primeiro, note que eu citei a própria Escritura. Quando Deus estabeleceu a Sua aliança com Abraão, Ele não disse que iria estabelecer a Sua aliança com Abraão e algumas de suas sementes. Deus disse: “E estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência depois de ti em suas gerações, por aliança perpétua, para te ser a ti por Deus, e à tua descendência depois de ti” (Gn. 17:7).

Quando Pedro se dirige à multidão ansiosa, que o tinha ouvido pregar no dia de Pentecostes, ordenou-lhes que se arrependessem, “Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar” (Atos 2:39). Pedro não diz, “alguns de vossos filhos.” Ele simplesmente diz, “e vossos filhos.” Promessa de Deus é a garantia de salvação, e assim a salvação é prometida aos crentes e seus filhos. No entanto, a promessa é limitada por esta expressão: “a tantos quantos o Senhor nosso Deus chamar,” referindo-se ao chamado eficaz de Deus para Seus eleitos.

Nunca nas Escrituras Deus diz que as promessas de salvação para os crentes e todos os seus filhos. Ele fala de “crianças” em geral, e “gerações” em geral. Que essas expressões significam que Deus promete a salvação a todos os nossos filhos é um pressuposto injustificado, contrário à Sua Palavra. A leitora aponta justamente para Romanos 11, além de minha referência em Romanos 9 no último artigo da News. A história da nação de Israel em si não é apenas um testemunho de que Deus não salva toda a descendência dos crentes, mas também que a maioria dos filhos de crentes não é salva (cf. Isa. 1:8-9).

Há muitos que sustentam que a promessa, feita especialmente no batismo, significa que Deus dá a Sua promessa a todas as crianças batizadas, mas a promessa é condicional e não será concedido a qualquer um que não cumprir a condição. E a promessa pregada sobre o campo missionário também é dada a todos os que ouvem, pois, segundo dizem, o evangelho é uma bem-intencionada, oferta condicional. Mas a teologia condicional é a teologia arminiana!

Nós falamos exactamente da mesma forma que a Escritura fala em nossa língua normal do dia-a-dia. Um agricultor está saindo ao seu campo para a colheita, como se diz, mas há ervas daninhas no campo. Será que ele colhe as ervas daninhas? Ele diz: “Eu estou indo para colher um pouco do que está crescendo no mmeu campo?” Não! Ele olha para o campo do ponto de vista da sua finalidade. Seu propósito não é plantar e colher os espinhos e abrolhos, apesar de serem “colhidos,” juntamente com o grão. Seu propósito é o seu cultivo.

Deus sempre trata com os homens, e especialmente seu povo da aliança, organicamente. Em João 15, a planta inteira de pessoas que professam Deus é chamada de vinha, mas alguns ramos são cortados porque não produzem frutos (cf. Ps. 80, Isa. 5). Nos profetas, Deus chama até mesmo ao Israel apóstata “meu povo.” Ele se dirige à nação como um todo. Ele condena-os rispido e irado por seus pecados e lhes fala do juízo que se aproxima do cativeiro. Mas Ele também vem para a nação como um todo, com preciosas promessas de renovação, libertação e felicidade. Como Deus pode fazer isso? Como Ele pode abordar toda a nação como “meu povo” e falar tanto do juízo como da salvação? Como pode um agricultor falar de seu campo como um campo de trigo quando ele está cheio de ervas daninhas?

Quando Deus se dirige à nação de Israel (e Igreja de todos os tempos) graciosamente, Ele está vendo-a da perspectiva da eleição em Cristo. Deus deseja reunir e glorificar Sua igreja eleita. É por isso que as parábolas do joio no campo e na rede de peixes que reúne peixe bom e mau, nos dizem que o trigo e o joio não são separados até o fim do mundo e que os peixes ruins são jogados nas margens da eternidade.

Na pregação (assim como no batismo, que é um sinal e selo que confirma a verdade do evangelho), o comando de arrepender e crer em Cristo é para todos que a ouvem. Esse comando coloca todos diante da demanda de arrepender-se do pecado – igualmente a eleitos e réprobos. A promessa que sempre é proclamada na pregação é esta: “Todos os que crêem em Cristo são salvos.” Todos ouvem isso—eleitos e réprobos igualmente. Mas a promessa é apenas para, ou para o benefício dos crentes, isto é, dos eleitos.

Deus usa esse evangelho para trazer os eleitos para a salvação, porque a chamada externa do evangelho é acompanhada pela chamada eficaz. Os outros são endurecidos em seus pecados e tornam-se maduros para o juízo, pois eles não podem e não obedecem à ordem de se arrependerem e crerem em Cristo. Assim, o propósito de Deus é realizado: Seu propósito de salvação de Sua Igreja, eleita, e seu juízo sobre os réprobos por toda a sua maldade.

Devemos aprender a pensar em termos de organismo. Deus sempre trata desta maneira com os homens. O Arminianismo é individualista: é cada um por si. É só uma questão de relação do indivíduo com Deus. É, obviamente, verdade que cada homem deve prestar contas diante de Deus por seus próprios atos, mas ele também vive em união orgânica com os seus santos companheiros, sua família e sua nação. Na base de todos esses relacionamentos, Deus julga-o.

Por último, mas não menos importante, o julgamento de Deus sobre os ímpios serve a salvação dos eleitos, pois “Sião será remida com juízo” (Isa. 1:27). A Palavra de Deus em Hebreus 6:7-8 é cumprida: “Porque a terra que embebe a chuva, que muitas vezes cai sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é lavrada, recebe a bênção de Deus; Mas a que produz espinhos e abrolhos, é reprovada, e perto está da maldição; o seu fim é ser queimada.”

Deus salva seus eleitos fora do organismo da raça humana que caiu em Adão para fazer um novo organismo, Igreja, em Cristo, o segundo Adão.

(Título Original: “Are All the Children of Believers Saved?”)

Para material Reformado adicional em Português, por favor, clique aqui.



Fonte: Covenant Protestant Reformed Church

Livros que você vai gostar

Você também vai gostar

Mais lidos

Conecte-se com o EvangelhoEterno.Org

COMPARTILHE!

Inscreva-se para novidades

O portal EvangelhoEterno.Org é um site cristão criado com o objetivo de contribuir para o avanço do Evangelho de Jesus Cristo em toda a face da terra.

Temos o desejo de que as pessoas estejam cheias da Palavra de Deus, que é a verdade absoluta, e do poder do Espírito Santo.

Saiba mais sobre nossa Política de Privacidade.

© 2022 EvangelhoEterno.Org | Todos os Direitos Reservados | Idealizado por Hudson Carvalho

Para melhorar sua experiência, este site usa cookies.