“Operações comuns do espírito” / “Common Operations of the Spirit” – CPRC


 

Rev. Angus Stewart

Tradução: John Rick Lima de Oliveira

Às vezes, as pessoas recorrem às “operações comuns do Espírito” na Confissão 10:4 de Westminster (e no Catecismo Maior de Westminster, perguntas e respostas 68) como se essa frase nos Padrões de Westminster ensinasse graça comum.

A noção errônea de graça comum é entendida de várias formas. Para muitos que sustentam essa visão, significa que Jeová ama os réprobos (aqueles a quem Ele ordenou eternamente para a destruição no caminho de seus pecados) e que, por Seu amor, Ele os torna algo menos do que totalmente depravado, habilitando-os a fazerem coisas eticamente boas aos olhos de Deus neste mundo.

Podemos distinguir três maneiras pelas quais o Espírito trabalha sobre e em todos os homens, incluindo os réprobos. Primeiro, o Espírito (sendo igual ao Pai e ao Filho) concede a todos os homens (incluindo incrédulos réprobos) vida e força física, pois é somente em Deus – o Deus Trino – que nós, eleitos e não eleitos, “vivemos e nos movemos e existimos”(Atos 17:28). Segundo, Deus, por Seu Espírito, dá ao reprovado entendimento intelectual das coisas naturais, pois o bom dom do conhecimento em todas as esferas (leitura, escrita, culinária, agricultura, construção, medicina, etc.) vem do Deus de toda a sabedoria através de Seu Filho , a Palavra ou Logos, e pelo Espírito onisciente. Terceiro, o Espírito até dá aos réprobos uma compreensão natural das coisas espirituais (embora não uma compreensão espiritual das coisas espirituais). Aqueles que não são eleitos e são educados em lares da aliança, frequentam os cultos da igreja ou leem literatura cristã, podem ter algum entendimento intelectual das verdades bíblicas. Isso não pode ser separado do Espírito Santo, pois todo conhecimento vem por Ele.

Na esfera da igreja visível, pode-se dizer que o entendimento de alguns réprobos é “iluminado” pelo Espírito, para que eles tenham um entendimento natural das coisas espirituais (Hb 6:4) e um sentido ou “gosto” da beleza das Escrituras, a glória do céu e o poder de Deus (4-5). O profeta ímpio Balaão (II Pedro 2:15-16) certamente experimentou isso, como se pode ver em suas quatro profecias a respeito de Israel (Nm 23:7-10, 18-24; 24:3-9, 15-24) e especialmente certas partes deles (por exemplo, 23:10, 23; 24: 5, 9, 17, 23), pois ele “conhecia o conhecimento do Altíssimo” (24:16) e falava pelo “espírito de Deus ”(2). Por meio da pregação, o Espírito até dá alguma “alegria” não eleita em sua compreensão natural das coisas espirituais, antes que elas se afastem da profissão (hipócrita) de fé (Mt 13:20-21). Afinal, é somente através do Espírito que os incrédulos experimentam alegria (terrena) nas coisas agradáveis da criação de Deus, como um belo pôr do sol ou uma boa refeição ou, finalmente, entendendo um conceito difícil. Mesmo assim, é o Espírito que dá a alguns reprovados uma compreensão natural das coisas espirituais e uma alegria natural (temporária) nas coisas espirituais. Além disso, incrédulos réprobos, como Judas Iscariotes, receberam poder para exorcizar demônios (7:22; 10:1, 4) do Pai, por meio do Filho e pelo Espírito Santo (10:1; 12:28).

Em conexão com os três textos-prova frequentemente listados na Confissão de Westminster 10:4, observamos, primeiro, que aqueles que meramente recebem as “operações comuns do Espírito”, como na iluminação natural e um gosto natural de coisas espirituais em Hebreus 6:4-5 estão sujeitas à “maldição” de Deus (8), que é a sua poderosa e contundente ira (Mt 25:41). Segundo, imprensado entre a parábola do semeador (13.3-9) e sua explicação (18-23), incluindo sua palavra sobre aqueles que experimentam alegria natural pelos mistérios do reino por um tempo (20-21), é a afirmação de Cristo da eleição e reprovação de Deus como determinante da resposta do homem ao evangelho (14-15; cf. Isa. 6:9-10; João 12:39-40). Terceiro, para aqueles que não foram eleitos para a salvação que proferiram profecias, exorcizaram demônios e realizaram milagres (Mateus 7:22), o Senhor declara que Ele dirá: “Eu nunca te conheci: afasta-te de mim, vós que praticais a iniquidade” (23). Visto que Cristo, o Filho de Deus encarnado, conhece todos os homens intelectualmente, e deve conhecer a todos para proclamar esse julgamento sobre muitos no último dia: “Eu nunca vos conheci” refere-se ao Seu conhecimento de amor: “Eu nunca vos amei, nem agora, nem antes da fundação do mundo, nem durante sua vida na terra, nunca! ” Assim, todos esses bons dons para os réprobos não chegam a eles no amor e na graça de Deus (Sl 73; Pv 3:33; Rm 9:13; 11:7-10), mas por Sua soberana e onipotente providência, que é do Pai, através do Filho e pelo Espírito Santo.

Essas “operações do Espírito” são “comuns” aos eleitos e réprobos, pois alguns eleitos e réprobos realizaram milagres (Mt 7:22) e todos os eleitos e alguns réprobos foram iluminados e receberam alegria e gosto dos mistérios do evangelho pelo Espírito (13:20; Heb. 6: 4-5). Existem especialmente três diferenças, no entanto, no que diz respeito às “operações do Espírito” nos eleitos e não eleitos. Primeiro, o Espírito dá a alguns réprobos um entendimento natural, alegria e gosto de ou nas coisas espirituais, enquanto que os eleitos recebem entendimento espiritual, alegria e gosto de ou nas coisas espirituais (João 17:13; I Cor. 2:14) . Segundo, as “operações do Espírito” chegam aos dois grupos de pessoas com uma motivação divina diferente e de uma maneira diferente: os eleitos os recebem na graça de Deus, mas os réprobos os recebem na providência e não na graça. Terceiro, tanto a Confissão 10:4 de Westminster quanto o Catecismo Maior de Westminster, perguntas e respostas 68, falam de “algumas operações comuns do Espírito”, pois existem operações e dons do Espírito – os maiores dons permanentes e salvadores! que são apenas para os eleitos e não para os réprobos: o novo nascimento, o perdão dos pecados, a justiça imputada de Cristo, o amor de Deus derramado em nossos corações (Rom. 5:5), a garantia do amor invencível de Jeová (8:37-39), etc. Entre essas “operações do Espírito”, que são particulares apenas aos eleitos, está o chamado eficaz, assunto da Confissão de Westminster 10:4 “Outros não eleitos, embora possam ser [externamente] chamados pelo ministério da palavra, e podem ter algumas operações comuns do Espírito, ainda assim eles nunca vêm verdadeiramente a Cristo e, portanto, não podem ser salvos”, pois não foram eternamente predestinados à vida e, portanto, o Espírito Santo nunca interna e efetivamente os chamou.

Para material Reformado adicional em Português, por favor, clique aqui.



Fonte: Covenant Protestant Reformed Church

Livros que você vai gostar

Você também vai gostar

Mais lidos

Conecte-se com o EvangelhoEterno.Org

COMPARTILHE!

Inscreva-se para novidades

O portal EvangelhoEterno.Org é um site cristão criado com o objetivo de contribuir para o avanço do Evangelho de Jesus Cristo em toda a face da terra.

Temos o desejo de que as pessoas estejam cheias da Palavra de Deus, que é a verdade absoluta, e do poder do Espírito Santo.

Saiba mais sobre nossa Política de Privacidade.

© 2022 EvangelhoEterno.Org | Todos os Direitos Reservados | Idealizado por Hudson Carvalho

Para melhorar sua experiência, este site usa cookies.