O Novo Pacto – CPRC


Rev. Ronald Hanko

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto1

O Novo Testamento é chamado de o novo pacto (aliança, concerto) em Hebreus 8:6-13. De fato, a palavra testamento é a mesma palavra que pacto. De acordo com Hebreus 8, esse novo pacto substitui o antigo.

De Hebreus 8:6-13 muitos concluem que existe certa diferença essencial ente o antigo e o novo—que eles são pactos diferentes. Os Batistas chegam a essa conclusão em sua defesa do batismo do crente, dizendo que o pacto selado pela circuncisão não é o mesmo pacto selado pelo batismo. Os pré-milenistas chegam a uma conclusão similar em defesa da crença deles de que haverá um futuro terreno especial para Israel (uma promessa pactual para Israel, e outra para os crentes do Novo Testamento).

Cremos que o novo pacto substitui o antigo somente como uma revelação mais nova e mais completa do único pacto eterno de Deus. As diferenças são somente diferenças de administração. A passagem de Hebreus 8 deixa isso claro.

Primeiro, o versículo 10 usa a fórmula pactual ordinária—eu serei o vosso Deus; eles serão o meu povo—para mostrar que o novo pacto não é essencialmente diferente do antigo. As relações ainda são as mesmas no antigo e no novo pacto.

Segundo, a referência às “minhas leis” no versículo 10 confirma isso. No novo pacto a lei não foi removida, mas reescrita em tábuas diferentes: as tábuas de carne do coração (II Co. 3:3). A lei e o pacto ainda andarão juntas. De fato, a entrega da lei, embora agora diferentemente escrita, é o estabelecimento ou declaração do pacto, tanto em Deuteronômio 4:13 como em Hebreus 8:10.

Terceiro, tanto no antigo como no novo pacto, de acordo com Hebreus 8:11, a coisa essencial é conhecer ao Senhor, embora haja uma diferença em como o conhecemos. Esse versículo fala do Novo Testamento como um tempo de realização e cumprimento. Ele é um tempo, portanto, no qual o povo de Deus o conhece diretamente e não mais através da mediação de sacerdotes e levitas (Ml. 2:5-7).

O novo pacto, então, não é algo completamente diferente, mas novo no mesmo sentido que os céus e a terra serão novos quando Cristo vier novamente. Os céus e a terra não serão aniquilados, mas renovados.

O passar do antigo pacto não trouxe, portanto, um pacto inteiramente novo, mas uma revelação melhor daquele pacto no qual Deus é o Deus do seu povo e os toma para si. É a última e mais plena revelação do pacto pela chegada das coisas prometidas, ao invés das figuras e tipos do antigo pacto. A lei pertence ao novo pacto, não como um tipo de limite, mas como uma ajuda para nos mostrar como podemos melhor glorificar a Deus e agradecê-lo por nossa salvação em palavras e obras.

Esse novo pacto é “melhor,” como expresso em Hebreus 8:6, e mais glorioso, porque ele nos traz a Cristo, e não apenas ao tipos de Cristo. Somente a consumação final do pacto será mais gloriosa.

Fonte (original): Doctrine according to Godliness, Ronald Hanko, Reformed Free Publishing Association, pp. 179-181.

1E-mail para contato: [email protected]. Traduzido em fevereiro/2007.

Para material Reformado adicional em Português, por favor, clique aqui.



Fonte: Covenant Protestant Reformed Church

Livros que você vai gostar

Você também vai gostar

Mais lidos

Conecte-se com o EvangelhoEterno.Org

COMPARTILHE!

Inscreva-se para novidades

O portal EvangelhoEterno.Org é um site cristão criado com o objetivo de contribuir para o avanço do Evangelho de Jesus Cristo em toda a face da terra.

Temos o desejo de que as pessoas estejam cheias da Palavra de Deus, que é a verdade absoluta, e do poder do Espírito Santo.

Saiba mais sobre nossa Política de Privacidade.

© 2022 EvangelhoEterno.Org | Todos os Direitos Reservados | Idealizado por Hudson Carvalho

Para melhorar sua experiência, este site usa cookies.