Lucas 19:41-44 apóia a oferta bem intencionada do evangelho? – CPRC


Prof. Herman Hanko

E quando chegou perto e viu a cidade, chorou sobre ela, dizendo: Ah! se tu conhecesses, ao menos neste dia, o que te poderia trazer a paz! mas agora isso está encoberto aos teus olhos. Porque dias virão sobre ti em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te apertarão de todos os lados, e te derribarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem; e não deixarão em ti pedra sobre pedra, porque não conheceste o tempo da tua visitação (Luke 19:41-44).

(I)

Alguns perguntam: “Como algumas pessoas tentam usar este texto para dizer que Deus chora sobre a destruição dos réprobos?”

Uma passagem semelhante é encontrada em Mateus 23:37: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, apedrejas os que a ti são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e não o quiseste!” A chave bíblica para a interpretação correta deste texto é notar – como fez Agostinho – a distinção que faz entre “Jerusalém” (cujos líderes religiosos eram os fariseus incrédulos) e os “filhos” de Jerusalém (os verdadeiros e espirituais judeus eleitos) que Jesus desejou e salvou. Para mais sobre isso, ver “Mateus 23:37 Ensina a oferta bem intencionada do evangelho?”

Ambos os textos são erroneamente citados como prova para a noção de que o evangelho é uma expressão graciosa do amor de Deus por todos os homens e do Seu desejo de salvar todos os homens, incluindo os réprobos. É tão inflexivelmente promovido por seus proponentes que qualquer um que discordar é o objeto de algum desagradável xingamento: “Hiper-Calvinistas! Incapaz de fazer evangelismo!”

O argumento que encontra uma oferta graciosa e bem-intencionada do evangelho nesses textos é este: Se Jesus estivesse triste com o julgamento iminente de Jerusalém, que deixaria Jerusalém caída em pilhas de entulho, Sua tristeza deve ter nascido em Seu desejo de salvar os habitantes – e sua incapacidade de fazê-lo. Ele foi bloqueado em seus desejos e não conseguiu cumprir o seu propósito, apesar de seus melhores esforços. Assim, alguns, alegando ser calvinistas e alegando, portanto, que Deus sempre cumpre o Seu propósito, não tem outro recurso disponível a eles do que concluir que um Deus soberano não conseguiu salvar aqueles a quem ama e ainda assim deseja salvar. Nenhum apelo à “aparente contradição” ou “maior lógica em Deus do que em nós” pode escapar à conclusão de que nosso Senhor estava amargamente desapontado porque Seus melhores esforços para salvar Jerusalém foram bloqueados pela incredulidade de Jerusalém.

Argumentou-se também que Cristo, de acordo com Sua natureza divina, queria e desejava apenas a salvação dos eleitos, mas que, de acordo com Sua natureza humana, desejava a salvação de todos os homens. Essa interpretação foi oferecida em um importante caso de igreja na Austrália. Mas aquele que ensinou essa visão foi justamente acusado de nestorianismo, isto é, o erro, já condenado pela igreja no Concílio de Éfeso em 431, de que nosso Senhor tinha duas pessoas. Quando esta heresia do nestorianismo é aplicada à oferta do evangelho graciosa e bem intencionada, o resultado é confusão. Nosso Senhor Jesus Cristo, que é pessoalmente a Segunda Pessoa da Trindade, e que é (para usar as palavras do Credo Niceno) “verdadeiro Deus do verdadeiro Deus”, foi totalmente soberano em tudo o que Ele fez, especialmente em Sua salvação dos eleitos, por quem Ele morreu. Mas esse mesmo Senhor Jesus Cristo também era uma pessoa humana que sinceramente desejava a salvação de todos os homens e em amor e misericórdia para todos que buscavam a salvação deles. Nosso único Senhor Jesus Cristo vivendo em um estado de constante contradição! Como pode ser?

Mas as Escrituras não ensinam tais “paradoxos” e “aparentes contradições”, e aqueles que afirmam que o fazem, só o fazem porque têm um machado para moer: querem espalhar a noção de que Deus ama todos os homens e os salvaria tudo se pudesse.

A razão para a tristeza de nosso Senhor é relativamente fácil. Jerusalém era a capital de Israel. Israel era o único povo que Deus escolhera para ser sua própria possessão e a quem dera dons especiais (cf. Rom. 9:4-5). Além disso, Jerusalém estava cheia de imagens do próprio Cristo: o trono de Davi e Salomão, o templo, os muitos sacrifícios que eram feitos diariamente no templo, as festas celebradas na cidade santa e o próprio Monte Sião, de bela e alta situação, alegria de toda terra (Sl 48:2). Todas essas imagens tinham servido um propósito muito bom durante toda a antiga dispensação.

Que essas belas gravuras de Cristo foram marcadas por maus escribas e fariseus foi o motivo da tristeza de Cristo. Isso não é compreensível? Você não ficaria triste se alguma pessoa má tirasse sua melhor foto e a estragasse tão terrivelmente que você parecia um monstro? Você não ficaria muito triste se alguém com ódio pintasse uma barba em uma fotografia de sua mãe?

Cristo era como nós em todas as coisas, exceto o pecado. Ele também era um homem de dores e familiarizado com a dor, que podia chorar pela morte de Seu amado Lázaro – mesmo sabendo que Ele iria ressuscitar Lázaro da sepultura.

As fotos estavam irremediavelmente arruinadas, sem chance de restauração adequada. Nosso Senhor podia ver Jerusalém em todo o seu esplendor, como apontava para si mesmo. Ele ficou triste com o que estava prestes a acontecer.

Mas ele também estava com raiva. Quando Ele viu o templo, uma imagem de Seu próprio corpo abençoado, feito um covil de ladrões, Ele ficou furioso. Em Sua ira, Ele expulsou os compradores e vendedores e os animais que foram vendidos dentro de seus arredores (João 2:13-22).

Certamente não é estranho que Cristo, ele mesmo, verdadeiro Deus do verdadeiro Deus, tenha se entristecido com o pecado que fez de Jerusalém o espetáculo feio em que se transformou. Deus certamente se entristeceu com Israel quando eles constantemente se rebelaram contra Ele no deserto (Hb 3:10, 17; Sal. 95:10). Certamente, não há ninguém que se atreva a dizer que Deus se deleita no pecado do homem, muito menos no seu próprio povo. Certamente, ninguém manteria a posição de que Deus está cheio de alegria quando a igreja corrompe Sua verdade e faz uma caricatura de Sua soberania. A própria ideia é blasfema.

Mas concluir por causa da ira de Deus com os pecadores e Sua aversão ao pecado, que Ele deseja salvar todos os homens é uma corrupção monstruosa da lógica simples. A verdade das Escrituras é que Deus ama os seus eleitos com um amor revelado na cruz de Cristo e Deus abomina tanto o pecador que Ele pune o pecador com a eternidade no inferno.


(II)

A oferta graciosa e bem intencionada do evangelho afirma que Deus deseja a salvação de todos os homens (incluindo os réprobos). A pregação do evangelho é, de acordo com essa visão, destinada a demonstrar amor, misericórdia e graça de Deus a todos, na esperança de que os homens sejam persuadidos a abandonar seus caminhos iníquos e a acreditar em Cristo. De acordo com essa visão, o choro de Jesus sobre a cidade em Lucas 19 é evidência de sua decepção de que tudo o que Ele fez pela cidade havia terminado em fracasso.

Muitas objeções sérias podem ser levantadas contra a oferta bem-intencionada do evangelho, sendo que o Deus onipotente em Jesus Cristo é incapaz de realizar o que Ele deseja: Ele deseja salvar a todos, mas é bem-sucedido em salvar apenas alguns. Alguns teólogos, mais inclinados do que outros aos ensinamentos do Calvinismo, tiveram que lidar com duas vontades em Deus: uma vontade de eleição de acordo com a qual Deus quer salvar apenas alguns e outra vontade segundo a qual Ele deseja salvar a todos. Deus não só tem duas vontades nessa visão, mas as duas vontades são contraditórias!

Precisamos nos lembrar de que as lágrimas de Jesus sobre Jerusalém são explicadas no texto, não como lágrimas de decepção, porque Ele falhou em sua tentativa de salvar a cidade. Suas lágrimas estavam sobre a iminente destruição da cidade por sua incredulidade. Os versos 43 e 44 nos ensinam que: “Porque dias virão sobre ti em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te apertarão de todos os lados, e te derribarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem; e não deixarão em ti pedra sobre pedra, porque não conheceste o tempo da tua visitação.”

Precisamos também notar que a destruição de Jerusalém estava de acordo com o propósito eterno de Deus. Isso também é ensinado no texto. Jesus lamentou o fato de que a destruição de Jerusalém não teria ocorrido: “Se tivesses conhecido, sim, pelo menos neste mesmo dia, as coisas que pertencem à tua paz!” Essas coisas que pertencem à paz de Jerusalém são “escondidas [por Deus] dos teus olhos”. Esta é uma reprovação soberana.

Em conexão com o ensino claro no texto da doutrina da reprovação, devemos enfatizar que a reprovação não anula a responsabilidade do homem diante de Deus por seus pecados. Deus realiza Seu eterno decreto de reprovação de tal maneira que o homem é culpado pelos seus pecados e merece a condenação eterna por eles. Embora Deus tenha escondido dos líderes de Jerusalém as “coisas que pertencem à tua paz”, essas coisas também eram bem conhecidas pelos líderes que eram culpados de rejeitá-las.

Quando Jesus diz: “Se tu sabes, tu mesmo …” Ele não se refere ao mero conhecimento formal das Escrituras do Antigo Testamento, que os judeus certamente possuíam, mas ao conhecimento salvador que dá a capacidade espiritual para acreditar nessas coisas e agir de acordo. A distinção é a mesma que Paulo usa em Romanos 1:18ss. Os iníquos sabem que Deus é o único Deus verdadeiro e que Ele deve ser servido, mas eles suprimem a verdade em injustiça – e, nesse sentido, não a conhecem.

Jerusalém deveria ser destruída porque os judeus não sabiam (e acreditavam) as coisas que pertenciam à paz de Jerusalém. As coisas que pertenciam à paz de Jerusalém eram o status de Jerusalém como a capital da nação e o centro da adoração de Deus no templo, como essas coisas na vida de Israel significavam, tipificadas e apontadas para o Messias, o Cristo, Aquele que tinha vindo agora para cumprir todos esses tipos. Eles não queriam participar do Messias e se agarravam firmemente às imagens, desprezando sua realidade em Cristo. Eles eram como um homem que adora a fotografia de sua esposa enquanto a trata com crueldade e sendo infiel a ela. Mas se a destruição de Jerusalém por causa da incredulidade de Israel foi obra soberana de Deus, por que Jesus chorou quando viu a incredulidade da cidade e sua subsequente destruição?

Está completamente em harmonia com o Ser de Deus e com a natureza divina de Cristo dizer que o pecado torna Deus “triste” – ao tornar Cristo triste e provocar Suas lágrimas. O decreto de reprovação, como é soberanamente realizado no caminho do pecado do homem, não exclui o ódio de Deus pelo pecado e Sua “aflição” pela recusa do homem em obedecê-lo. Deus não tem prazer na morte dos ímpios, mas que ele se desvie do seu mau caminho (Ez. 33:11). Deus não tem prazer na desobediência à Sua lei e não tem prazer na rebelião do homem. É difícil para mim imaginar que alguém ensinaria essa doutrina odiosa.

Tomar uma posição oposta significaria – não é? – que Deus está satisfeito com o pecado do homem e esfrega as mãos em alegria quando os homens transgridem. A reprovação é soberana, mas o homem é responsável por seu pecado, e sua iniqüidade traz sobre ele o julgamento de Deus. Se Deus não punir o homem por seus pecados, então Ele não seria Deus – santo e verdadeiro, justo e imaculado, regozijando-se em pureza. Nós pertencemos e adoramos o único Deus verdadeiro que tem prazer na santidade e se alegra na retidão.

Jesus estava triste porque Jerusalém rejeitou Aquele a quem todo o Antigo Testamento apontava, pois Ele era o único que havia cumprido tudo isso.

A soberania de Deus, também em reprovação, não deve obscurecer Seu ódio ao pecado e Sua justa punição ao pecador. Que Cristo, também em Sua natureza divina, estava triste por causa da perversidade de Jerusalém, não deve ser interpretado como desapontamento ou frustração – como acontece com a oferta bem-intencionada do evangelho. Deve ser interpretado como o ódio de Deus pelo pecado e determinação para manter aquilo que é agradável a ele, ou seja, a santidade.

Conteudo traduzido por Legado Reformado: https://legadoreformado.wordpress.com/. Traduzido em Janeiro/2019.

Para material Reformado adicional em Português, por favor, clique aqui.



Fonte: Covenant Protestant Reformed Church

Livros que você vai gostar

Você também vai gostar

Mais lidos

Conecte-se com o EvangelhoEterno.Org

COMPARTILHE!

Inscreva-se para novidades

O portal EvangelhoEterno.Org é um site cristão criado com o objetivo de contribuir para o avanço do Evangelho de Jesus Cristo em toda a face da terra.

Temos o desejo de que as pessoas estejam cheias da Palavra de Deus, que é a verdade absoluta, e do poder do Espírito Santo.

Saiba mais sobre nossa Política de Privacidade.

© 2022 EvangelhoEterno.Org | Todos os Direitos Reservados | Idealizado por Hudson Carvalho

Para melhorar sua experiência, este site usa cookies.