Há graça comum em 2 Samuel 7.15? / Is There Any Common Grace in II Samuel 7:15? – CPRC


Tradução: John Rick Lima de Oliveira

Pergunta: “Por favor, explique II Samuel 7:15: Mas a minha benignidade não se apartará dele; como a retirei de Saul, a quem tirei de diante de ti. (I Crônicas 17:13 é uma passagem paralela). Isso ensina a graça comum?”

Resposta curta do Prof. David Engelsma

Em uma leitura superficial, parece que II Samuel 7:15 afirma que Deus já teve misericórdia de Saul, mas depois a removeu dele e, portanto, há graça comum.

Mas observe que, se o texto realmente ensina que Deus teve misericórdia de Saul, mas depois a removeu dele, não está ensinando uma graça comum de Deus para os iníquos, mas está declarando que a profunda e rica misericórdia de Jeová, seu firme amor de aliança (hesed), não é apenas para o rei Davi e seu filho Jesus Cristo, mas também para o iníquo e reprovado Saul.

A misericórdia de II Samuel 7:15 é a misericórdia que Deus tem por Davi, Salomão e Cristo Jesus. O “ele” no texto é Salomão como o tipo e Jesus como a realidade, pois ambos são filhos de Deus (em sentidos diferentes) e Deus é o Pai deles (em sentidos diferentes, conforme João 20:17), de acordo com II Samuel 7:14.

Assim, por mais que o texto seja explicado, nada tem a ver com a graça comum e não é prova de graça comum. A graça de Deus para com Salomão e Cristo não é uma graça comum, segundo a avaliação de qualquer pessoa!

Se II Samuel 7:15 ensina que Deus tira Sua graça de alguém a quem essa graça foi verdadeiramente dada, ensina que se pode perder uma graça salvadora particular. Então os arminianos estão certos e perdemos a verdade bíblica da preservação e perseverança dos santos, que é ensinada nos credos reformados e preciosa para o povo de Deus (Cânones de Dordt V:15)!

A explicação correta do texto começa com a observação de que a palavra “a” na versão King James (KJV) ou na versão autorizada (AV) não está no texto hebraico original. Assim, a palavra “a” aparece em itálico no KJV / AV.

II Samuel 7:15 na verdade diz: “Mas minha misericórdia não se afastará dele, como eu tirei de Saul”. Etc. O que Deus tirou de Saul não foi misericórdia, mas o reinado de Israel. Deus não tirará a misericórdia de Salomão e de Jesus Cristo, como Ele tirou a realeza de Saul.

Deus não tira o Seu amor firme de ninguém a quem já foi concedido (João 10: 28-29; Filipenses 1: 6). O texto ensina explicitamente isso. A misericórdia de Deus nunca será tirada de Cristo, a realidade do rei Salomão. Uma vez que todos os eleitos estão em Cristo e são representados por Ele, Deus nunca tirará Sua misericórdia de ninguém daqueles que estão em Cristo e que pertencem a Ele. Tirar a graça de um dos eleitos seria o mesmo que tirá-la do próprio Cristo!

Mas Jeová tira posições de honra e autoridade no reino dos homens iníquos que abusam de suas posições, por exemplo, o ofício de ministro, ancião ou diácono e o cargo de membro de uma igreja verdadeira. Este é um aviso para todos nós!

Mas Jeová tira posições de honra e autoridade no reino dos homens iníquos que abusam de suas posições, por exemplo, o ofício de ministro, ancião ou diácono e o cargo de membro de uma igreja verdadeira. Este é um aviso para todos nós!

Em resumo, em vez de ensinar a graça comum, a passagem é uma bela profecia de Salomão e Cristo, a quem ele tipifica e Seu reino e templo eternos; uma promessa inabalável de que nunca perderemos a misericórdia de Deus porque Cristo, nossa cabeça, nunca perderá; e um chamado para sermos fiéis em nossos ofícios na igreja.

Resposta mais longa (ampliada de um artigo de Herman Hoeksema no Standard Bearer)

1. A pergunta requer que enfrentemos este argumento: Saul era um homem perverso e réprobo; ele era o objeto da misericórdia de Deus; logo, há graça comum. Com isso não podemos concordar porque as Escrituras ensinam que Deus odeia os ímpios e fica irado com eles todos os dias (por exemplo, Sal. 5:4-6; 7:11; 11:5-6; Rom. 9:13; etc.). Além disso, a misericórdia de Jeová não é meramente temporal, como a misericórdia humana terrena, depois de alguns anos, pois esse é o louvor do salmista: “tua misericórdia, ó Senhor, dura para sempre” (Sal. 138: 8), uma vez que “sua misericórdia é eterna ”(Sal. 100: 5).

Massivamente, lemos no Salmo 136:1-26 que “a sua misericórdia dura para sempre” vinte e seis vezes. Essas palavras de adoração são repetidas em mais oito lugares na Palavra inspirada de Deus: “Sua misericórdia dura para sempre” (1 Cr. 16:34, 41; II Cr. 5:13; 7:3; 20:21; Sal. 106:1; 107:1; 118:1).

2. As questões centrais são: Qual é a misericórdia de que o texto fala? Isso significa que Deus tinha sido misericordioso com Saul pessoalmente e que Ele havia retirado Sua misericórdia dele pessoalmente? Ou está lidando com outra coisa?

3. Consideremos primeiro a questão de uma perspectiva bíblica.

  1. Davi queria construir uma casa (bayit) para Jeová habitar, a saber, um templo (cf. II Sam. 7:2), como o Senhor bem sabia (vv. 5, 6, 7). Mas a Palavra de Deus a Davi através do profeta Natã é que Ele construirá uma casa (bayit) para Davi, ou seja, uma dinastia real (vv. 11, 16). Jeová continuaria (v. 29) e estabeleceria (vv. 12, 13, 16, 26) o reino da semente de Davi (v. 12), que sai de seus lombos (v. 12), “para tempos distantes”(v. 19), mesmo “para sempre”(vv. 16, 25). Por essa casa prometida (bayit) ou dinastia, Davi agradece ao Senhor (vv. 19, 25, 26, 27, 29). Assim, a chave para os textos mencionados na pergunta é que eles e os capítulos em que são encontrados (II Samuel 7 e I Crônicas 17) lidam com as gerações da casa real (bayit) ou dinastia.
  2. Por outro lado, mesmo antes de Davi subir ao trono, Saul sabia que não teria dinastia (1 Sam. 20:31; 23:17), já que Deus havia lhe dito isso por meio do profeta Samuel (1 Sam 13:13-14; 15:28).

4. Vamos abordar a questão de uma perspectiva mais teológica. Se estudarmos os textos em II Samuel 7 e I Crônicas 17, encontraremos os seguintes elementos (compare também o Salmo 89, que se refere a essa mesma misericórdia):

  1. II Samuel 7:15 e I Crônicas 17:13 se referem à “misericórdia” da aliança eterna de Deus com Davi e sua semente, centralmente Cristo, como Servo de Jeová, “porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as firmes beneficências de Davi. Eis que eu o dei por testemunha aos povos, como líder e governador dos povos.” (Isaías 55:3-4). É o pacto que o trono de Davi será para sempre e, de sua descendência, aquele que deve sentar-se no trono de Jacó por toda a eternidade (Lucas 1:32-33).
  2. Essa “misericórdia” está com a semente de Davi de geração em geração até culminar em Cristo, em quem a promessa será cumprida. A passagem em II Samuel 7:12-15, portanto, não se refere apenas a Salomão, mas às gerações vindouras. Uma comparação com o Salmo 89 torna isso muito evidente. É uma misericórdia que diz respeito à casa ou dinastia de Davi.
  3. No mesmo sentido, deve ser entendido quando o texto nos diz que Deus tirou algo de Saul. Refere-se ao trono no qual as gerações de Saul não se sentariam. Historicamente, o reino, o reino teocrático, que deveria culminar no Messias havia sido estabelecido com Saul. Mas Deus tirou o reino das gerações de Saul e o transferiu para as gerações de Davi. Isso está em harmonia com a aliança eterna do Deus Triúno.

Para material Reformado adicional em Português, por favor, clique aqui.



Fonte: Covenant Protestant Reformed Church

Livros que você vai gostar

Você também vai gostar

Mais lidos

Conecte-se com o EvangelhoEterno.Org

COMPARTILHE!

Inscreva-se para novidades

O portal EvangelhoEterno.Org é um site cristão criado com o objetivo de contribuir para o avanço do Evangelho de Jesus Cristo em toda a face da terra.

Temos o desejo de que as pessoas estejam cheias da Palavra de Deus, que é a verdade absoluta, e do poder do Espírito Santo.

Saiba mais sobre nossa Política de Privacidade.

© 2022 EvangelhoEterno.Org | Todos os Direitos Reservados | Idealizado por Hudson Carvalho

Para melhorar sua experiência, este site usa cookies.