Diagnóstico, Prognóstico e Cura – CPRC


Martyn McGeown

Conteúdo:

I. Introdução

II. Diagnóstico: Gangrena!

III. Prognóstico

IV. Cura

V. Conclusão

I. Introdução

O Apóstolo Paulo alerta em II Timóteo 2:17-18 acerca de dois falsos mestres na igreja em Éfeso. Estes dois heréticos, Himeneu e Fileto, eram preteristas. Eles ensinavam que o grande evento escatológico da ressurreição dos mortos já tinha acontecido. Ao fazer isto eles perverteram a fé de alguns na igreja (v. 18). Paulo avisa Timóteo que a heresia, e esta heresia preterista em particular, iria roer “como um canker” (v. 17). A palavra “canker” significa gangrena. O aviso é claro. A heresia alastra-se. Alastra-se como uma gangrena, a morte de tecidos mortos resultando em carne negra, putrefacta e mal-cheirosa. A gangrena sem tratamento espalha-se ao longo do membro afectado e leva à morte do corpo. Normalmente o único remédio é o amputar da área morta.

O preterismo é a heresia que sustenta que grande parte ou todos os eventos escatológicos profetizados na Escritura foram já realizados no passado. Pós-milenistas, que vislumbram uma “Era Dourada” para a Igreja na qual o mundo é Cristianizado, relegam as profecias do Novo Testamento a respeito da Grande Tribulação e perseguição da Igreja, a ameaçadora e generalizada apostasia da verdade, e o aparecimento do Anticristo ao passado. Estes eventos foram cumpridos, dizem os pós-milenistas, em 70 dc, quando Jerusalém e o Templo foram destruídos pelos romanos. Alguns são preteristas moderados, parciais e inconsistentes. Completos, extremistas, consistentes ou hiper-preteristas relegam não só aquelas profecias ao passado, mas também ensinam que todas as profecias do Novo Testamento, incluindo a ressurreição dos mortos (que eles, como Himeneu e Fileto, espiritualizam), o julgamento final e até a Segundo Advento de Jesus Cristo ocorreu em 70 DC. Não há portanto nenhuma futura vinda de Cristo no fim do mundo. Nós estamos já nos novos céus e na nova terra na qual os justos habitam (2 Pedro 3:13). Este mundo irá provavelmente existir para sempre, ou, se não durar eternamente, a Bíblia não tem nada a nos dizer acerca do futuro.

Como o preterismo e a gangrena estão relacionados? Este texto irá expor o preterismo dos modernos pós-milenistas, especialmente os reconstrucionistas. Vamos concentrar nossa atenção no movimento Reconstrucionista porque os homens desse movimento são os autores mais prolíficos no campo do Pós-milenismo e os maiores opositores do Amilenismo Reformado, que eles ridicularizam como escatologia pessimista ou “pessimilenialismo”. Figuras representativas nesse movimento são Gary North, Gary DeMar, Kenneth L. Gentry, Jr., e David Chilton. Este artigo vai argumentar que o seu preterismo está se espalhando como uma gangrena através do corpo da verdade Reformada, devorando doutrinas vitais e textos-chave, levando eventualmente e, inexoravelmente, a um explosivo hiper-preterismo. Por agora os pós-milenistas modernos estão resistindo ao hiper-preterismo,1 mas este texto irá defender que eventualmente o seu sistema deve entrar em colapso sob a sua própria inconsistência. Ele deve sucumbir à gangrena da heresia de Fileto e Himeneu.

II. Diagnóstico: Gangrena!

A fim de avaliar a gravidade da condição do paciente Reconstrucionista Pós-milenista moderno, vamos primeiro analisar a forma como grande parte de sua escatologia foi consumida até ao momento pela gangrena preterista.

A. A gangrena devorou Mateus 24:1-34 e grande parte de Apocalipse

Os sinais da doença começam a aparecer em primeiro lugar na exegese preterista de Mateus 24 e na interpretação do livro do Apocalipse. Gary DeMar escreve sobre o Sermão do Monte, “Todos os eventos em Mateus 24:1-34 estão cumpridos. Seu significado está associado a uma geração passada. Quando lemos de guerras, terramotos, pragas e fomes em nossa geração, não são sinais proféticos para os nossos dias.”2 David Chilton é mais enfático:

Tudo o que Jesus falou nesta passagem, pelo menos até ao versículo 34, teve lugar antes da geração que então vivia e faleceu

. “Espere um minuto”, você diz. “Tudo? O testemunho de todas as nações, a tribulação, a vinda de Cristo sobre as nuvens, as estrelas cadentes… tudo?” Sim.3

Em relação ao livro do Apocalipse, Chilton escreve: “Para nós, a grande parte do Apocalipse (ou seja, tudo excluindo alguns versos que mencionam o fim do mundo) é a história: já aconteceu.”4 Ele acrescenta algumas páginas adiante:

O livro do Apocalipse não é sobre a Segunda Vinda. É sobre a destruição de Israel e a vitória de Cristo sobre a Roma. Na verdade, a palavra vinda como usado no livro do Apocalipse nunca se refere à Segunda Vinda. Apocalipse profetiza o juízo de Deus sobre os dois antigos inimigos da Igreja; e enquanto continua a descrever brevemente determinado fim eventos no tempo, essa descrição é apenas um “wrap-up”, para mostrar que os ímpios não prevalecerão contra o Reino de Cristo. Mas o foco principal do Apocalipse é sobre os acontecimentos que estavam prestes a ter lugar.5

Kenneth Gentry, Jr., concorda: “As referências no Apocalipse para a vinda de [Cristo] tem a ver com a Sua vinda em juízo, particularmente sobre Israel“.6 RC Sproul, um evangélico popular, mas não um Reconstrucionista, também está infectado com a doença preterista: “Eu ainda estou incerto sobre algumas questões cruciais. Estou convencido de que a substância do Sermão do Monte foi cumprida em 70 dC e que a maior parte do Apocalipse foi também cumprida nesse período de tempo.”7 Felizmente, Sproul não exclui um cumprimento futuro:

Isso não exclui a possibilidade de uma futura manifestação da besta de acordo com um esquema básico e secundário de cumprimento profético. Mas é necessário um esquema como se os eventos preditos no Apocalipse são relativos ao julgamento iminente do povo judeu e à destruição de Jerusalém?8

Estes primeiros sinais de gangrena são alarmantes.

B. A gangrena tem devorado figures-chave da Escatologia

A igreja não tem nada a temer de um futuro e perseguidor Anticristo de acordo com o pós-milenismo dominante. Ele morreu no primeiro século. A visão predominante entre preteristas é que a Besta do Apocalipse foi o imperador Nero que morreu em 68 dC. Gentry identifica tanto o homem do pecado (ou ilegalidade) e da besta como o Nero: “O homem do pecado é o César Nero, que também é a Besta do Apocalipse”.9 A restrição em II Tessalonicenses 2 é o Imperador Cláudio:

O Homem da Iniquidade estava vivo e esperando para ser “revelado.” Isto implica que, na altura, sendo cristãos poderiam esperar, pelo menos, alguma protecção do governo romano … Quando Paulo escreveu II Tessalonicenses 2, ele estava sob o reinado de Cláudio César … Enquanto viveu Cláudio, Nero, o Homem da Iniquidade não tinha poder para cometer desordem pública. O cristianismo estava livre da espada imperial até a perseguição nerônica iniciada em Novembro, AD 64.10

No que respeita ao “Homem do Pecado” DeMar escreve, “sem nunca ser capaz de identificar o homem do pecado, podemos concluir que ele apareceu e desapareceu no primeiro século.”11

Gentry dedicou um livro inteiro para a tese de que a Besta do Apocalipse foi Nero: “É evidente que o papel inicial, paradigmático, de crueldade extrema e a extensão da perseguição de Nero ao cristianismo se encaixam bem com o papel necessário no Apocalipse para a Besta”.12 Portanto, conclui Gentry, “não temos a Besta e a Grande Tribulação diante do olhar para o nosso futuro.”13 Lorraine Boettner, um pós-milenista não Reconstrucionista, escreve: “A melhor opinião, nós acreditamos, identifica o homem de pecado com o imperador romano, ou a linha de imperadores naquele tempo.”14 Chilton reivindica que, devido ao culto “imperial” através do qual os césares romanos exigiam adoração, “Paulo chamou homem do pecado a César”.15 DeMar concorda: a Besta está “enterrada em algum lugar no mundo de hoje.”16 Algumas páginas depois, escreve ele, “Dois animais são mencionados em Apocalipse 13: a besta do mar representa Roma e uma besta da terra que representa a Israel. A besta da terra promove os esforços da besta do mar e só pode funcionar sob a direcção e autoridade da besta do mar”.17 Gentry identifica a segunda besta como decorrente de Israel. Deve-se notar que Gentry e outros pós-milenistas insistem em que os julgamentos derramados sobre a terra em Apocalipse se referem à “terra” de Israel, portanto, eles traduzem o grego (ge), como terra, e não a terra: “A ‘segunda besta’ é um lacaio da primeira besta (Apocalipse 13:11-12). Ela surge da ‘terra’ (tes ges), ou seja, de dentro da Palestina. Este é provavelmente Gessius Florus, o procurador romano, que provocou a Guerra Judaica”, escreve Gentry.18 Chilton identifica a segunda besta como os judeus: “Os líderes judeus, simbolizados por esta besta da terra, juntou forças com a Besta de Roma, numa tentativa de destruir a Igreja.”19 Quanto ao anticristo, Gentry despersonaliza-o: “O Anticristo não é um indivíduo, regente malévolo aparecendo no nosso futuro. Pelo contrário, o Anticristo era uma tendência contemporânea herética sobre a pessoa de Cristo, que era comum entre muitos na época de João”.20

Outras grandes figuras escatológicas são “preterizadas” também.21 Gentry está “convencido além de qualquer dúvida “que a Babilônia ou a Prostituta do Apocalipse é a ” Jerusalém do primeiro século.”22 Chilton concorda com Gentry: “Babilônia, a Grande Cidade-Prostituta, é a velha, Jerusalém apostata.”23

C. A gangrena tem devorado eventos-chave da Escatologia

Os preteristas consignam não só grandes figuras escatológicas, mas também importantes eventos escatológicos para o passado. A “queda” (ou seja, a apostasia), de II Tessalonicenses 2:3 foi a rebelião judaica, não uma queda de cristãos professos da verdade do Evangelho. Boettner escreve: “A apostasia ou ‘Falling Away’ (v. 3) foi, então, a apostasia judaica, que não atingiria o seu clímax, até a destruição de Jerusalém e a dispersão do povo judeu.”24 Escreve Gentry sobre este texto:

Provavelmente, Paul funde aqui os dois conceitos de apostasia religiosa e política, embora enfatizando a eclosão da Guerra Judaica, que foi o resultado de sua apostasia contra Deus. A ênfase deve estar na revolta contra Roma, porque é futura e datável, ao passo que a revolta contra Deus, está em curso e é cumulativa.25

No que respeita ao aviso sobre “tempos perigosos” nos últimos dias em II Timóteo 3:1 ss., Gentry escreve que Paulo

… Está falando de coisas que Timóteo terá de enfrentar e suportar (v. 10, 14). Ele não está a profetizar sobre o constante e processo de longo prazo da história… É o erro lógico de quantificação de ler esta referência a (algumas) períodos de tempos perigosos, como se dissesse que todas as vezes o futuro vai ser perigoso… Os pós-milenistas estão bem concientes dos “periodos” de tempos perigosos que afligiram a Igreja sob o Império Romano e em outros tempos.26

Chilton, concorda: “A ‘Grande Apostasia’ aconteceu no primeiro século. Nós não temos, portanto, nenhuma justificativa bíblica para esperar a apostasia crescente à medida que a história avança; em vez disso, devemos esperar a crescente cristianização do mundo.”27

A Grande Tribulação também ocorreu no passado e nunca será repetida. Chilton afirma, “A Grande Tribulação terminou com a destruição do Templo em 70 dC.”28 Em seu comentário sobre o Apocalipse, Chilton faz a mesma afirmação: “Todos os indícios bíblicos sobre a Grande Tribulação leva à conclusão simples de que decorreu durante a geração após a morte e ressurreição de Cristo.”29 A abertura dos sete selos (Apocalipse 6) explicita a condenação de Jerusalém em 70 dC. O primeiro selo (o cavalo branco) é “um retrato do exército romano vitorioso a entrar em Israel em direcção a Jerusalém.”30 O segundo selo (o cavalo vermelho) “fala da erupção da guerra civil judaica.”31 E assim vai. Gafanhotos do abismo (Ap 9:2) já foram soltos sobre Jerusalém:

Jerusalém é entregue a Satanás e suas legiões demoníacas, que inundam a cidade a possuir e consumir os seus habitantes ímpios, até que toda a nação é conduzida à loucura suicida.32

A “grande montanha ardendo em fogo” que foi lançada ao mar foi Israel apóstata, que foi destruída em resposta à oração de Mateus 21:21-22.33 Tal é o calibre da exegese preterista do Apocalipse de João!

Gary North é outro defensor desta visão. Satirizando com a obsessão evangélica moderna com a ‘profecia do fim dos tempos’, escreve ele,

Os clientes da maioria das livrarias cristãs muitas vezes preferem estar animados com as informações falsas fornecidas por falsas profecias de uma série de livros, que ser consolado pelo conhecimento de que a chamada Grande Tribulação está à muito atrás de nós, e que era a tribulação de Israel, e não da Igreja.34

Boettner também rejeita enfaticamente uma futura grande tribulação “no final dos tempos.”35 Gentry concorda com Chilton e North:

Nós não temos a Besta e uma “Grande Tribulação” para olhar para a frente no nosso futuro… a tribulação já ocorreu, como a Escritura disse, no primeiro século “dores de parto” do cristianismo (Mt 24:8, 21). Apocalipse, então, não nos deixa com garantia bíblica para ver o futuro da Terra como um futuro “bloqueado” de desespero. As desgraças de Apocalipse já aconteceram!36

Há claro, evidência abundante que a Grande Tribulação foi um acontecimento do primeiro século. Ela assinalou o fim da era judaica e da Antiga Aliança: a separação do Cristianismo da sua mãe Judia, como por “dores do parto” (Mateus 24:8).37

D. A gangrene consumiu conceitos-chave da Escatologia

Os Reconstrucionistas ensinam que os termos do Novo Testamento “últimos dias”, “o fim dos tempos” e outros conceitos referem-se à idade dos judeus antes da era cristã, que começou em 70 dC. Isto dá à gangrena preterista ampla oportunidade para se alastrar. A palavra fim (do grego telos) em Mateus 24 (vv. 6, 13, 14) “não é o fim do mundo, mas sim o fim do tempo, o fim do Templo, o sistema de sacrifício, a nação da aliança de Israel, e os últimos remanescentes da era pré-cristã.”38 Chilton continua

O que é muitas vezes ignorado é o fato da expressão os últimos dias, e termos similares são usados na Bíblia para se referir, não para o fim do mundo físico, mas para os últimos dias da nação de Israel, os “últimos dias” que terminaram com a destruição do Templo no ano de 70 dC.39

O período de que fala a Bíblia como os “últimos dias” (ou “últimos tempos” ou “última hora”) é o período entre o nascimento de Cristo e a destruição de Jerusalem.40

Gary North concorda com a avaliação de Chilton,

Os cristãos têm chegado à conclusão – uma conclusão totalmente errada – que os “últimos dias” de que fala o Novo Testamento se referem aos últimos dias da igreja (ou ao erroneamente identificado “Era da Igreja”). Esta conclusão não se justifica pelos diversos textos bíblicos. Os últimos dias de que fala o Novo Testamento foram escatológicos últimos dias só para Israel nacional, não para a Nova Aliança da Igreja. Os “últimos dias” foram de facto os primeiros dias da Igreja de Jesus Cristo … não estamos vivendo nos últimos dias e nunca viveremos.41

Se textos como “o fim dos tempos” e os “últimos dias” se referem ao período anterior a 70 dC, esses textos não podem ser usados como provas de um futuro Segundo Advento de Cristo. Vede como se alastra a gangrena!

E. A gangrena destrói a esperança cristã

Gentry nega vigorosamente que o pós-milenista “desencoraja a esperança na segunda vinda, em deferência à conquista histórica do reino.”42 No entanto, seus colegas estão muito felizes de imaginar que o Segundo Advento é, no futuro muito distante. Isso não os perturba nem um pouco. Chilton escreve,

Os “1.000 anos” de Apocalipse 20 representam um período grande de tempo indefinido. Já dura cerca de 2.000 anos e provavelmente vai continuar por muitos mais. “Exactamente quantos muitos mais anos?” alguém me perguntou. “Eu terei o prazer de lhe dizer”, eu alegremente respondi, “assim que você me disser quantas colinas exactamente estão no Salmo 50.43

Enquanto Chilton “alegremente” contempla um Segundo Advento a muitos anos no futuro mais distante, o Amilenista Reformado ora ainda mais fervorosamente, “Vem depressa,

Senhor Jesus!” Mais deprimente ainda, ou seria, se fosse verdade, Chilton escreve: “Este mundo tem dezenas de milhares, talvez centenas de milhares de anos de piedade crescente à sua frente, antes da Segunda Vinda de Cristo.”44 Isto é deprimente porque um mundo de “piedade crescente” não é a nossa esperança. Um mundo de crescente piedade não é o novo céu e a nova terra onde habita a justiça. Num mundo de “piedade crescente”, haverá ainda o pecado e a morte. Mesmo se a libertinagem for muito restringida por parte de governos cristãos, algo que os Pós-milenistas preveem ocorrendo em quase todas as nações do mundo durante a sua tão apregoada “Era Dourada”, haverá ainda aquela luta contínua com o pecado contra o qual devemos lutar toda a nossa vida (Rm 7:24). Essa “Era Dourada”, não importa quão gloriosa a descrição do Pós-milenismo a faça ser, é um pobre substituto para aquilo que almejamos: perfeita comunhão com Jesus Cristo, a ressurreição de nossos corpos no Dia do Juízo Final e da afirmação definitiva do nosso Deus no Dia do Juízo. Queremos ver todo joelho dobrar-se a Jesus Cristo e toda língua confessar que Ele é o Senhor (Fl 2:10-11). Queremos ver todos os ímpios erradicados para que não fique nenhuma língua blasfema para insultar o nosso Salvador, Jesus Cristo (Mt 13:39-40). Nós ecoamos das palavras de W. J. Grier, que foram escritas num contexto um pouco diferente:

Aqueles que já são cidadãos do céu, e têm tais perspectivas de desfrutar dos plenos privilégios da cidadania, podem muito bem virar o nariz para dez mil vezes dez mil uvas milenares. Tal como os patriarcas, “eles desejam uma pátria melhor, isto é, a celestial” (Hb 11:16). O seu afecto está apontado às coisas do alto, não nas coisas da terra.45

Nós viramos o nosso nariz ao sonho Pós-milenista. Noutra parte Chilton escreve, “nós provavelmente temos milhares de anos à frente antes do fim. Estamos ainda no início da Igreja.”46 Isto é uma má notícia, uma demora insuportável. Devemos suportar dezenas de milhares ou centenas de milhares de anos neste mundo amaldiçoado pelo pecado? Será que vai levar tanto tempo para reunir os eleitos? A criação deve continuar a gemer durante milénios antes de Cristo voltar? Esperamos que não. Nem acreditamos nisso. Gary North não tem nenhuma simpatia pela oração do Amilenista reformado. Apenas alguém perigosamente entorpecido pela gangrena preterista poderia escrever o seguinte número de horror:

Essa oração (ie, “Vem depressa, Senhor Jesus”) só é legítima quando quem a ora está disposto a adicionar esta justificação para a sua oração: “Porque a sua igreja concluiu a sua tarefa fielmente (Mateus 28:18-20), e o seu reino tornou-se manifesto para muitas almas antes perdidas”. Isto não é certamente uma oração que seja necessária hoje. (Ela era apropriada para João porque ele estava orando pela vinda pactual de Jesus Cristo, manifestada pela destruição da antiga ordem da aliança. A sua oração foi respondida em poucos meses: a destruição de Jerusalém).47

Nós pedimos com espanto: quando é que vai ser necessário fazer esta petição? Quando o mundo for cristianizado podemos orar assim? Se um mundo cristianizado for realmente o ápice do Reino de Cristo não seria ímpio orar para o seu fim quando o vemos estabelecido? Não deveríamos antes continuar pedindo a Deus para atrasar o Segundo Advento, para que nós e nossos filhos, nossos netos e bisnetos podermos desfrutar da “Era Dourada” por milénios, para que Cristo seja glorificado no Seu Reino sobre a terra, o máximo possível? Assim, o Segundo Advento é adiado indefinidamente, pelo menos na mente do Reconstrucionista Pós-milenista infectado com a gangrena preterista.

F. Outros erros gangrenosos

A errónea interpretação preterista do Apocalipse de Chilton leva-o a dois outros erros. Primeiro, ele ensina a abominável ideia de que Deus se divorciou de Sua adúltera esposa do Antigo Testamento para se casar com a Igreja, a Noiva de Cristo. Outros Reconstrucionistas concordam com este revoltante ensino. Chilton escreve: “Com o divórcio final e a destruição da esposa infiel, em 70 dC, a união da Igreja ao seu Senhor foi firmemente estabelecida.”48 “A destruição de Jerusalém foi … a declaração final, de que a prostituta foi divorciada e executada, e Deus tem tomado para si uma nova noiva.”49 Gentry concorda: “O Apocalipse foi dado como a divinamente inspirada e inerrante pré-interpretativa Palavra de Deus sobre a destruição da ordem do templo e do divórcio de Israel como a esposa da aliança de Deus.”50 “O livro dos sete rolos parece representar a “carta de divórcio” de Deus proferida pelo juiz sobre o trono contra Israel.”51

Deus nunca se divorcia de sua esposa, a fim de tomar para si um novo cônjuge. A Igreja do Velho Testamento, o verdadeiro Israel dentro da nação de Israel (Rm 9:6) sempre foi casada com Jeová Deus. Os réprobos dentro da nação nunca foram casados com Deus, embora aparentemente pertencessem ao povo da aliança e estavam obrigados a serem fiéis a Ele. Jeremias 3 ensina que Deus deu a Israel uma carta de divórcio (v. 8), no entanto, alguns versos mais tarde Deus exclama: “Voltai, ó filhos rebeldes, diz o Senhor, porque sou casado a vós” (v. 14). A lição é clara: Deus não se divorcia de sua igreja eleita, a fim de se casar novamente. Ele declara-se a Si mesmo – apesar da sua apostasia – ainda casado com Israel. Ezequiel 16 é ainda mais impressionante. Depois do profeta descrever em detalhe a prostituição e infidelidade de Israel, Deus promete a misericórdia: “Contudo eu me lembrarei do meu pacto contigo nos dias da tua mocidade, e eu estabelecerei contigo uma aliança eterna” (v. 60). A Igreja do Antigo Testamento e a Igreja do Novo Testamento são a mesma mulher (Gl 3-4), crescida até a maturidade. A mulher que deu à luz o Messias (Israel VT) é a mesma mulher que é, então, perseguida pelo dragão (a Igreja NT), como Apocalipse 12 claramente ensina. Deus não apedrejou até a morte uma mulher para se casar com outra, Chilton e sua laia ensina.

O segundo erro de Chilton é seu sacramentalismo. Ele interpreta a “Ceia das Bodas do Cordeiro” (Ap 19:9), que ocorre após a destruição da prostituta, como a Eucaristia. Chilton, faz a caracteristicamente declaração não reformada sobre o culto público, demonstrando como gangrena preterista comeu a sua eclesiologia: “A Eucaristia é o centro do culto cristão; a Eucaristia é o que somos ordenados a fazer quando estamos juntos. Tudo o resto é secundário.”52 Ele ainda tenta argumentar que “um dos temas principais na polémica da Reforma Protestante foi o facto de que a Igreja Romana admitia membros à Eucaristia apenas uma vez por ano.”53 Assim Chilton nega que a pregação do Evangelho (não os sacramentos) é o principal meio de graça, em contradição directa com os credos Reformados (Catecismo de Heidelberg, Dia do Senhor 25).

G. O que a gangrena deixou

Vimos o quanto a gangrena preterista se alastrou. Apenas uma escassa escatologia permanece após o preterismo ter devorado a maior parte das profecias do Novo Testamento. Muitos Pós-milenistas como Gentry, DeMar, Norte e Chilton ainda não são preteristas consistentes d a cabeça aos pés. Ainda não. Um preterista da cabeça aos pés foi J. Stuart Russell, que ensinou que a ressurreição dos mortos, o juízo final e a segunda vinda de Jesus Cristo, está tudo no passado. Não há, de acordo com Russell, uma futura Vinda do Senhor Jesus. Tudo foi cumprido no ano 70 dC.54 A gangrena preterista de Russell foi fatal. Como Himeneu e Fileto, Russell negou a esperança cristã, se desviou da fé e foi culpado de “profanas e conversas vãs”

(2 Tm. 2:16-18). Como Himeneu e Fileto, a palavra de Russell come como gangrena. Apesar do fato de Russell ser, obviamente, um herege, os cristãos reconstrucionistas elogiam seus escritos. Embora Gentry se referir a Russell como um defensor do “preterismo radical”, ele ainda elogia A Parousia como “magistralmente escrita.”55 DeMar expressa sentimentos semelhantes.56

Dos remanescentes da escatologia que ainda não sucumbiram à propagação da gangrena preterista podem ser mencionados o Segundo Advento, a ressurreição dos mortos e o juízo final. DeMar escreve que a vinda de Cristo corporal é “ainda um evento futuro.”57 Gentry admite que “é verdade que [Cristo] virá no fim da história, trazendo a ressurreição e o julgamento (Actos 1:11, I Tess. 4:13 e ss., I Coríntios. 15:20-26).”58 Chilton condena a negação de qualquer futura ressurreição do corpo ou o julgamento como “uma forma herética de preterismo.”59

A questão é: pode a gangrena preterista parar por aqui ou vai-se alastrar mais?

Para material Reformado adicional em Português, por favor, clique aqui.



Fonte: Covenant Protestant Reformed Church

Livros que você vai gostar

Você também vai gostar

Mais lidos

Conecte-se com o EvangelhoEterno.Org

COMPARTILHE!

Inscreva-se para novidades

O portal EvangelhoEterno.Org é um site cristão criado com o objetivo de contribuir para o avanço do Evangelho de Jesus Cristo em toda a face da terra.

Temos o desejo de que as pessoas estejam cheias da Palavra de Deus, que é a verdade absoluta, e do poder do Espírito Santo.

Saiba mais sobre nossa Política de Privacidade.

© 2022 EvangelhoEterno.Org | Todos os Direitos Reservados | Idealizado por Hudson Carvalho

Para melhorar sua experiência, este site usa cookies.