A Ideia Orgânica da Igreja – CPRC


João Calvino

“Devemos, ao mesmo tempo, ter em mente o que tenho lembrado noutra parte—que o Profeta dirige seu discurso um pouco para os fiéis somente, que eram então em número reduzido, e que em outro tempo, ele dirige-se à multidão indiscriminadamente; e Então, quando o nosso Profeta ameaça, ele considera a todo o conjunto de pessoas; mas quando ele proclama o favor de Deus, é como se ele virasse os olhos somente para os fiéis, e os reunisse num só lugar somente para eles. Como por exemplo, quando um pequeno número dentre as pessoas são realmente sábios, e toda a multidão une-se em agilizar a sua própria ruína, quem tem um discurso a fazer fará uma distinção entre a grande multidão e os poucos; ele vai repreender severamente aqueles que são assim insensatos, e vivem para a sua própria miséria; e depois ele vai moldar o seu discurso, a fim de atender as pessoas que ele não encontra tanta culpa. Assim, também o Senhor muda o seu discurso, porque uma vez ele aborda o ímpio, e noutra Ele se volta para os eleitos, mas que eram nada mais que um remanescente. Por isso o Profeta até agora tem falado por repreensões e ameaças, porque ele dirige-se a todo o corpo de pessoas; mas agora ele recolhe, como já disse, o remanescente como se fosse para eles mesmos, e coloca diante deles a esperança do perdão e da salvação” (Com. sobre Sofonias 3:9).

“Se alguém objecta e diz, que esta declaração vai contra muitas outras que temos observado, a resposta é fácil, e a solução foi já apresentada noutro lugar, e eu agora é só tocar-lhe por breves instantes. Quando Deus distintamente denuncia ruína sobre as pessoas, o corpo de pessoas está tido em conta, e neste corpo não havia então nenhuma integridade. Ora, então, como todos os israelitas tinham-se tornado corruptos, tinham-se afastado da adoração e temor de Deus, e de toda a piedade e justiça, e que tinham-se abandonado a todo tipo de maldade, o profeta afirma que eles iam perecer, sem qualquer excepção. Mas quando ele confina a vingança de Deus, ou a modera, ele tem respeito a um número muito pequeno; pois, como já foi declarado anteriormente, a corrupção nunca foi tão prevalecente entre o povo, mas alguma semente restou. Daí, quando o Profeta tem em vista os eleitos de Deus, ele aplica, em seguida, estas consolações, pelo qual ele mitiga o seu terror, para que pudessem compreender que Deus, mesmo no seu extremo rigor, seria propício para eles. Essa é a forma de considerar esta passagem” (Com. sobre Oséias 11:8-9).

“Aqui o Profeta exorta os israelitas ao arrependimento, e ainda propõe alguma esperança de misericórdia. Mas isto pode parecer incoerente, uma vez que ele já tinha testemunhado que não haveria mais remédio algum, porque tinham provocado muito a Deus. O Profeta parece neste caso a contradizer-se. Mas a solução está pronta na mão, e é isto—a ter falado antes da destruição final do povo, ele tinha em consideração todo o corpo das pessoas, mas agora ele dirige o seu discurso para os poucos, que tinham até então se mantido fieis. E esta distinção, como já vos lembramos noutros lugares, devem ser cuidadosamente notados, senão vamos encontrar-nos perplexos em muitas partes da Escritura” (Com. sobre Oséias 14:1-2).

“O Profeta, como já disse, parece ser inconsistente com ele mesmo: depois de ter falado da restauração da terra, ele agora diz abruptamente, que seria abandonada, porque Deus tinha sido extremamente provocado pela impiedade das pessoas. Mas, como afirmei anteriormente, era quase uma prática comum com os profetas, denunciar um tempo de vingança de Deus sobre todos os judeus, e depois se virar imediatamente aos fiéis, que eram em número reduzido, e levantar o seu ânimo com a esperança de libertação. Nós sabemos que na verdade os profetas tinham que tratar com os profanos ofensores de Deus, era necessário, pois, para eles fulminar, quando se dirigiam a todo o corpo de gente: o contágio tinha permeado todas as ordens, de forma que eles tinham todos se tornado apóstatas, desde o maior ao mais pequeno com pouquíssimas excepções, e os escondidos no meio da grande massa, como alguns grãos, em uma grande pilha de palha. Então os profetas, não sem razão misturam consolações com ameaças; e as suas ameaças dirigiam a todo o corpo de pessoas, e então eles sussurravam, como foi, na orelha, algum consolo para os escolhidos de Deus, o pequeno remanescente—’Mas o Senhor vai mostrar misericórdia para você, embora ele tenha resolvido destruir o seu povo, e vós assim devem permanecer seguros, mas isto será através de alguns meios ocultos.’ O nosso Profeta, em seguida, faz, por um lado, como aqui, denuncia vingança de Deus sobre um povo sem remédio e, por outro lado, ele fala da redenção da Igreja, para que através deste apoio, os fiéis possam ser sustentados nas suas adversidades” (Com. sobre Miquéias 7:13).

Tradução: http://soberanagraca.blogspot.com

Para material Reformado adicional em Português, por favor, clique aqui.



Fonte: Covenant Protestant Reformed Church

Livros que você vai gostar

Você também vai gostar

Mais lidos

Conecte-se com o EvangelhoEterno.Org

COMPARTILHE!

Inscreva-se para novidades

O portal EvangelhoEterno.Org é um site cristão criado com o objetivo de contribuir para o avanço do Evangelho de Jesus Cristo em toda a face da terra.

Temos o desejo de que as pessoas estejam cheias da Palavra de Deus, que é a verdade absoluta, e do poder do Espírito Santo.

Saiba mais sobre nossa Política de Privacidade.

© 2022 EvangelhoEterno.Org | Todos os Direitos Reservados | Idealizado por Hudson Carvalho

Para melhorar sua experiência, este site usa cookies.